Páginas

sábado, 11 de março de 2017

“Palavras Que Permanecem” é o título do livro publicado por D. Demétrio

O Bispo Emérito de Jales, Dom Demétrio Valentini, acaba de publicar um livro, pela Editora Paulinas, com o título: Palavras que Permanecem. Conta com a apresentação do Pe. José Oscar Beozzo, colega de estudos de Dom Demétrio

São textos, selecionados entre os artigos semanais, escritos ao longo dos seus 33 anos de bispo diocesano de Jales.

Esta primeira seleção é representativa desses numerosos artigos, difundidos semanalmente, enfocando a diversidade de situações e de acontecimentos, que requeriam uma análise adequada.

Esta diversidade se faz presente em forma de parábolas, crônicas, assuntos ligados à conjunta eclesial e política, com enfoques éticos e religiosos, abordando assuntos que repercutiam no contexto social, religioso, ético e político.

Traz uma série de homenagens aos baluartes históricos da CNBB, a começar com Dom Helder Câmara até Dom Paulo Evaristo Arns, passando por Dom Aloísio Lorscheider, Dom Ivo Lorscheiter, Dom Luciano Mendes de Almeida, Dom Tomás Balduino, Dom Waldir Calheiros, Dom Pedro Casaldáliga e Dom Clemente Isnard.

Coloca em destaque episódios relativos ao atual Papa Francisco, desde o conclave em que ele foi eleito, até a comprovação dos seus inovadores e surpreendentes gestos.

Daria para citar outros enfoques deste livro, que traz 120 artigos que abordam os mais diversos assuntos de interesse eclesial e político.

O melhor é conferir esta diversidade, percorrendo os artigos que o livro nos traz, cada qual podendo se deter naqueles que mais de perto podem interessar, como Dom Demétrio recomenda fazer.

Os que não estão neste primeiro volume, poderão estar no segundo ou no terceiro, como está nos planos acontecer.

O livro Palavras que Permanecem foi editado pelas Paulinas, e pode ser encontrado em todas as suas livrarias.

Na Diocese de Jales o Livro será vendido a preço de custo, após o lançamento oficial que será anunciado nos próximos dias.

Doação do Telemarketing da Santa Casa de Jales aconteceu na 1ª ligação

O jeito simpático, amável e dedicado da senhora Maria Batista de Moura Shioya provou que não é preciso ter muito para contribuir, com uma história cheia de provação e superação a alegria é o remédio para enfrentar as dificuldades do cotidiano. Assim é a história da primeira doadora do telemarketing da Santa Casa de Jales que teve início no dia 31 de janeiro de 2017.

O encontro entre a gerente de Captação de Recursos, Luciana Vicente e Maria Batista de Moura Shioya e a sua neta Laura (foto) aconteceu na última segunda-feira, seis de março, a ideia foi agradecer pessoalmente o gesto e a doação logo na primeira tentativa do funcionamento do telemarketing.

"Já conhecia telemarketing, pois minha filha trabalha com isso, porém não sabia ainda que a Santa Casa estava com essa ferramenta de trabalho. Não achei estranho e não desconfiei da ligação em minha casa, muito pelo contrário, eu achei bacana e maravilhosa a atitude e a ideia da instituição", relatou Maria.

A doadora contou que foi solicitado qualquer valor para contribuir com a Santa Casa e prontamente aceitou ajudar. "Nosso telemarketing tem doação livre e de qualquer quantia, no caso da dona Maria, ela que quis dar continuidade na doação mensalmente, outras pessoas também podem tomar a mesma conduta", destacou Luciana Vicente.

Maria, finalizou o bate papo evidenciando que a Santa Casa de Jales é a única da cidade e precisa ser valorizada. "Precisamos pensar no amanhã, porque hoje estamos bem, mas não sabemos quando vamos precisar do hospital. Em um ano e meio fiquei internada três vezes pelo SUS e fui muito bem atendida. Inclusive recentemente minha neta teve meningite e esteve na instituição. Contribuo com aquilo que posso e acredito que não pesaria para as famílias da nossa cidade ajudar também", relatou Maria Batista.

Caso o doador sentir-se na dúvida sobre a ligação do telemarketing da Santa Casa, poderá entrar em contato pelo 3622-5003 e falar no setor de Captação de Recursos. O recebimento será feito por um mensageiro identificado e o recibo terá a logomarca da entidade.

Pedagogia realiza evento para comemorar o Dia Internacional da Mulher

por Daniel Zílio
 
No dia Internacional da Mulher, o curso de Pedagogia da Unijales, realizou, no dia 7 de março, terça-feira, na Câmara Municipal de Jales, a IX edição do projeto "Mulheres: Lutas e Conquistas".
 
 
Para marcar esta data, foi apresentada uma palestra com o tema "Pedagogia do Amor", ministrada pelo Dr Luiz Carlos Barros Costa (na foto com as coordenadoras Madalena Guisso e Célia Zerbato), que foi professor e coordenador do curso de Direito, Delegado da Seccional de Jales, Delegado Regional de Polícia de Araçatuba e produtor de palestras, seminários e simpósios aos segmentos sociais da atualidade.
 
A abertura do evento foi realizada pela coordenadora do curso, Célia Regina Zerbato, seguida pela palestra, que teve como objetivo homenagear a Mulher Pedagoga, conscientizar sobre o Dia Internacional da Mulher, discutindo igualdade de gêneros e valorização da mulher na sociedade, além de mostrar as condições de vida da mulher no espaço público e privado. A apresentação contou com a participação de professores, da coordenadora Madalena Guisso e alunos do curso de Matemática.
O palestrante, Dr. Luiz Carlos Barros Costa já participou de eventos do curso de Pedagogia e não cobra para ministrar suas palestras. Como forma de retribuir a atenção recebida, os alunos de Pedagogia e Matemática, arrecadaram pacotes de macarrão para doar em ações sociais que ele faz parte.

Aniversário do professor Neto


José Lafaiete de Oliveira Gonçalves (professor Neto), estará comemorando nesta segunda-feira, 13 de março, mais um ano de vida. Familiares e amigos vão lhe desejar os parabéns.

Perda de audição pode levar idoso ao isolamento e à depressão

Perceber e aceitar a perda auditiva não é uma atitude fácil. Com o avançar da idade, a constatação de que já não se ouve bem é sempre ruim. O fato é que apenas 40% das pessoas com perda de audição reconhecem que ouvem mal. Por isso, é fundamental questionar o arraigado preconceito contra os aparelhos auditivos. A falta de informação quanto à discrição e praticidade das próteses auditivas atuais ainda faz com que a maioria das pessoas demore, em média, seis anos para procurar tratamento, o que afeta a autoestima e cria várias dificuldades no dia a dia.

O que geralmente não se percebe é que a perda auditiva prejudica não só a audição em si, mas afeta também o aspecto psicológico e social. Há casos em que o indivíduo, depois de muitos anos sem ouvir direito, quando procura ajuda já está em depressão. A privação sensorial causada pela diminuição de audição gera um isolamento social devastador, além da redução significativa das atividades cerebrais, comprometendo a atenção, o entendimento de fala e a memória, facilitando ainda o aparecimento das demências.

"Como o idoso não consegue ouvir bem, ele naturalmente se isola para não passar por situações constrangedoras. Ele não participa mais da festa de aniversário do vizinho, por exemplo, porque as pessoas não têm mais paciência para conversar com ele; não quer nem mesmo ir à padaria porque o funcionário fala muito baixo e ele não consegue entender. A pessoa vai se sentindo envergonhada, incapaz e esse isolamento pode levar à depressão", conta Isabela Papera, fonoaudióloga da Telex Soluções Auditivas.

À medida em que você envelhece, as células ciliadas da orelha interna começam a morrer, mas há pessoas que perdem a audição mais cedo e mais rápido do que outras. Muitos começam a sentir dificuldades para ouvir quando estão ainda na faixa etária dos 30 aos 40 anos. Pesquisas revelam que quase a metade da população deficiente auditiva ainda está economicamente ativa.

"A família é fundamental no processo de aceitação da perda auditiva daquele ente querido e na busca de ajuda para que ele resgate os sons da vida. O deficiente auditivo que não usa aparelho se isola, primeiramente da vida social e, depois, dos próprios familiares, em casa. Alguns dos sintomas mais comuns na surdez são a irritabilidade e a agressividade", destaca a fonoaudióloga, que é especialista em audiologia.

Ao sentir alguma dificuldade para ouvir, o melhor é procurar um médico otorrinolaringologista para avaliar a causa, o tipo e o grau da perda auditiva. A partir do resultado dos testes, como o de audiometria, será indicado o tratamento mais adequado. O uso do aparelho auditivo é o apoio necessário em grande parte dos casos.

""Quando têm a indicação de uso de aparelho auditivo, alguns se sentem punidos por isso. Mas com o decorrer dos anos, a deficiência atinge um estágio mais avançado. Não há demérito algum em usar aparelho auditivo. Atualmente, existem diversos tipos, com tecnologia digital, pequenos e quase imperceptíveis. Alguns ficam até mesmo invisíveis, pois são colocados dentro do canal auditivo. Por que então não fazer uso dessa tecnologia para ouvir melhor, sentindo-se mais confiante para conversar com os familiares ou colegas de trabalho?", conclui a fonoaudióloga da Telex.De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, cerca de 9,7 milhões de brasileiros possuem deficiência auditiva.

Sorrir

Flávio Rodrigo Masson Carvalho
Professor do UNIBAVE – Orleans - SC
 
 
Tenha coragem agora,
Sorria para mim, sem vergonha,
Antes que eu desista e vá embora.
Sei que estás triste,
Pare de sofrer agora,
Relaxe, não fique em riste.
Leve a vida com mais alegria,
Deixe de chorar,
Trabalhe sua covardia.
É preciso ter coragem para viver,
E também muita fé,
Só assim irá vencer.
Não tenha medo,
Sorria a todo instante,
Este é o segredo.
Então agora, sorria para mim,
Sua vida começa agora,
E está longe do fim.
Estando feliz ou sofrendo,
Morremos a cada dia,
Estamos partindo.
Se vamos partir desta vida,
Que seja sorrindo,
Não tenha uma vivência sofrida.
Quero ver sua alma vibrar,
Vamos, me dê um sorriso,
Me faça te amar.
Receber amor é importante,
È o amor que move a vida,
E ele nunca é bastante.
Ame a vida, ame todo mundo,
Mas não se esqueça de se amar,
Pois este é o amor mais profundo.
Antes de tudo, ame primeiro,
Só assim poderá ser feliz,
E depois, ame o mundo inteiro.
Sorria, e volte a ser criança,
Deixe de ser tão responsável,
Acenda a chama da esperança.
Sorria e faça brilhar a sua luz,
Pare de reclamar,
E carregue também a sua cruz.
Sorria, mesmo sentindo dor,
Sorria a todo instante,
Mas sorria com fervor.
Vamos, mostre me seu sorriso,
Não peço por você,
Sou eu que preciso.
 

Pacientes e colaboradoras da Santa Casa de Jales recebem homenagem do Dia da Mulher




Para comemorar o Dia Internacional da Mulher no dia oito de março, última quarta-feira, o Grupo de Trabalho de Humanização – GTH da Santa Casa de Jales reuniu para parabenizar as guerreiras desta data.
As pacientes internadas na instituição receberam um mimo juntamente com um cartãozinho, em visita realizada pelo GTH e o provedor, Junior Ferreira, em todos os quartos da instituição. Além da lembrança, muito amor, carinho e atenção foram doados as mulheres.

"O dia da mulher deve ser comemorado sempre, pela luta, garra e determinação que elas apresentam, além do mais ser mulher é uma dádiva, por isso não poderíamos deixar em branco essa data tão especial", destacou o provedor, Junior Ferreira.

As colaboradoras também foram lembradas e ganharam um curso básico de automaquiagem com a maquiadora Andréia Modesto, que voluntariamente aceitou participar deste dia com as mulheres, juntamente com a cabeleireira Tatiana Machado e a designer de sobrancelhas, Julia Pelarin que se prontificaram a contribuir com as homenagens.
As colaboradoras ainda foram recepcionadas com um lanche e participaram de sorteios de brindes oferecido pelo GTH que conseguiram doações.

Regina Casé é destaque do programa Gente Inocente do Canal Viva

Neste domingo, 12 de março, às 10h30, o programa Gente Inocente, do Canal Viva, receberá a artista Regina Casé (foto)para um bate papo descontraído com Márcio Garcia. Gravado e exibido em 2001, pela rede Globo, o programa homenageia a trajetória profissional da artista. Na época, Regina estava no ar como Rosalva, da novela "As Filhas da Mãe".

Na edição, uma das crianças pergunta qual o lugar mais bacana do país que a artista conheceu apresentando o programa Brasil Legal. "Sabe, nós escolhíamos pelas pessoas. Recebíamos pautas sobre pessoas ou personagens. Gosto muito de ir ao Nordeste, me sinto em casa! Acho que é porque já fui tanto!", comenta Regina.

A artista também respondeu perguntas das crianças e fez uma retrospectiva de sua trajetória profissional, desde a época em que integrava o grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone até o sucesso de Tina Pepper, sua personagem na novela "Cambalacho" (1986).

Prefeitura de Urânia realiza café da manhã para as mulheres

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Prefeitura Municipal de Urânia realizou uma programação especial para todas as mulheres uranienses, a "Primeira Manhã Mulher".

 
Foi preparado um delicioso café da manhã, ao som do cantor Wesley, para todas as participantes que também concorreram a vários brindes doados pelo comércio. As revendedoras da marca Tupperware, que vieram de São José do Rio Preto exclusivamente para o evento, também doaram vários brindes para o sorteio, apresentaram seus produtos e realizaram cadastro para um novo sorteio.

Algumas mulheres receberam ainda cuidados com a pele realizados por estudantes do curso de Estética e Cosmética da Unijales. Além disso, o café contou com a participação das representantes das marcas Natura e Mary Kay que também doaram produtos e apresentaram as suas novidades às homenageadas.

O evento foi uma realização da Prefeitura e Câmara Municipal, em parceria com o Fundo Social de Solidariedade e CRAS – Centro de Referência de Assistência Social de Urânia.

Maria Pia Finocchio e José Possi Neto são alguns dos retratados na nova temporada de Figuras da Dança

 
Neste sábado, 11 de março, a TV Cultura dá início a uma nova temporada do programa Figuras da Dança, uma produção da São Paulo Companhia de Dança. A atração revisita a trajetória de artistas importantes, como Maria Pia Finocchio, José Possi Neto e Eliana Caminada, protagonista do primeiro episódio. Com trinta minutos de duração, o programa vai ao ar às 23h.
 
Criada há nove anos, a série Figuras da Dança já registrou a vida e carreira de grandes nomes da dança no Brasil, como Ana Botafogo, Ismael Guiser, Ivonice Satie, Penha de Souza e Luis Arrieta. Este ano, mais sete personalidades da dança terão suas trajetórias apresentadas pelo programa. São elas Eliana Caminada, Jair Moraes, José Possi Neto, Mara Borba, Maria Pia Finocchio, Nora Esteves e Paulo Pederneiras.

Com a intenção de levar as histórias para além dos palcos e colocá-las em contato com o público, o programa reúne um arsenal de depoimentos, documentários e recursos audiovisuais e iconográficos que remontam as histórias profissionais e de vida de cada um desses nomes.

Sob direção de Inês Bógea, doutora em Artes, bailarina, documentarista, escritora e diretora da São Paulo Companhia de Dança (SPCD), a atração revela a memória e o registro da dança no Brasil pela voz dos protagonistas desta história, apurando as dificuldades encontradas ao longo do percurso e as vitórias alcançadas.


Sobre o primeiro episódio
No primeiro episódio de Figuras da Dança, Eliana Caminada é a artista documentada. Filha de Augusto Eupídeo Boamorte e Myriam Vieira Boamorte, ela ingressou no balé muito cedo, aos cinco anos de idade. A iniciativa, que veio de seu pai, levou-a a uma carreira profissional na década de 60, quando entrou no Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Desde então, desenvolveu trabalhos como coreógrafa, professora e pesquisadora. Também deu aulas de balé clássico no Parque de Recreação Darcy Vargas, Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, Centro de Dança Rio e, atuando como professora, ministrou disciplinas associadas à historicidade da dança na UniverCidade (Centro Universitário da Cidade do Rio de Janeiro). Hoje é tida como referência na área.

Departamento de Agricultura de Urânia e Senar abrem inscrições do curso de orquídeas

Já foi iniciado o período de inscrições do curso de cultivo de orquídeas oferecido pelo Departamento Municipal de Agricultura de Urânia em parceria com o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) e o Sindicato Rural de Jales. Os interessados podem fazer seus cadastros até o dia 20 de março, na secretaria de agricultura, localizada na margem da Rodovia Euclides da Cunha, n. 1100.

Serão oferecidas 18 vagas e o curso será realizado no Centro Comunitário nos dias 29, 30 e 31 de março, das 08h00 às 17h00. Entre os temas que serão abordados estão: as formas de classificação da orquídea, os aspectos morfológicos, as formas de crescimento, fatores ambientais que interferem no desenvolvimento, instalações, equipamentos e substratos, nutrição da planta, controle de pragas e doenças, replantio e preparação para comercialização.

De acordo com o diretor de departamento de Agricultura, Anderson Chapichi, o curso ensinará como cultivar orquídeas de qualidade, além de informações para quem deseja cultivá-las para melhorar a renda familiar.

O curso é gratuito. Ao final do trabalho realizado, todos os participantes receberão certificados. 

Comemorado em 14 de março, número Pi intriga matemáticos até hoje

A razão entre o comprimento e o diâmetro de uma circunferência é a mesma para qualquer círculo e esse número, de valor um pouco maior que três, é conhecido como p (Pi). Além de ser constante (3,14), o pi é uma dizima periódica, ou seja, o número tem uma série infinita de algarismos decimais.

O dia do p é comemorado em 14/3 devido a semelhança entre a data (em que, em inglês, o mês antecede o dia), e o valor da razão. Os primeiros indícios da existência são de aproximadamente 1900 a.C., mas o grego Archimedes (287 – 212 a.C.) é considerado o primeiro a calcular o valor de Pi com precisão.

"Muitos processos de cálculos de comprimentos, áreas e volumes já eram conhecidos há séculos; eles vinham na forma de instruções de procedimentos e não como fórmulas como, por exemplo, C = 2pr, A = pr2, V = 3/4pr3. Essas e outras fórmulas consequentes apareceram apenas a partir do Renascimento. Até aí a constante p não era o foco. Usavam-se valores aproximados como 3, e 3,14. O trabalho de Archimedes para obter valores mais exatos de p, pode ser destacado como sendo um dos primeiros em que a preocupação era com o número p em si. Com o tempo, este número rendeu inúmeros estudos matemáticos. Provou-se que ele é um número irracional; isto é, não existem números inteiros a e b, tais que = p. A expansão decimal de p não apresenta padrões elementares; é como se suas casas decimais tivessem vindo de uma caixa de surpresas" afirma o professor Glenn Albert Jacques Van Amson, autor de matemática do Sistema Anglo de Ensino.


A letra grega p, que vem da palavra perímetro, passou a ser usada para designar o número em 1707 pelo matemático galês William Jones. "As teorias elaboradas sobre o o p geram muita ‘matéria prima’ para as mais diversas áreas na Matemática e na Computação. Pode-se criar processos de criptografia para codificar mensagens, por exemplo", diz Glenn.

Busca infinita - Por se tratar de um número irracional, o p apresenta uma série infinita de algarismos decimais e a tentativa de calcular o valor exato sempre fascinou os matemáticos. O cálculo mais preciso do Pi antes da invenção do computador foi feito por D.F. Ferguson que, em 1945, chegou a 620 dígitos.

Com a ajuda de computadores, em 194, Fergunson conseguiu atingir 710 dígitos. Em 1999, o japonês Takahashi Kanada chegou a casa dos trilhões, com 206.158.430.000 dígitos, auxiliado por um computador. O maior cálculo de pi feito até hoje aconteceu em 2002 por matemáticos da Universidade de Tóquio. Eles conseguiram registrar 1.241.100.000.000 dígitos (Um quatrilhão).

Em 13 de março 2015, o japonês Akira Haraguchi ‘recitou’, de cabeça, o pi com 111.700 casas decimais.

A Polícia Civil e a proteção às mulheres vítimas de violência

Altair Ramos Leon  é Delegado de Polícia de Jales

A primeira Delegacia de Polícia especializada no atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar foi criada pelo Decreto nº 23.769/1985 e instalada na Cidade de São Paulo. A Polícia Civil do Estado de São Paulo, portanto, é a pioneira nesse tipo de atendimento no Brasil. O número de delegacias de polícia especializadas no atendimento às mulheres aumentou consideravelmente em todo o País, servindo de modelo para países latino-americanos e africanos. Mas é necessário muito mais, uma vez que a maioria dos municípios brasileiros não dispõe de delegacia especializada e nem de outros serviços, como de assistência psicológica, para o atendimento das mulheres.
No Estado de São Paulo essas delegacias de polícia são denominadas Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher – DDM, enquanto em outras unidades da Federação recebem a denominação de Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher - DEAM. A importância dessas delegacias de polícia na política de enfrentamento à violência contra as mulheres, está evidenciada pelos serviços prestados, funcionando, na maioria das vezes, como porta de entrada para o atendimento e a proteção às mulheres e o destaque dado no Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher e no II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres.
A Polícia Civil procura implementar, a cada dia, um melhor e humanizado atendimento às mulheres vítimas de violência ou discriminação, apesar de muitas vezes não dispor de recursos humanos e materiais necessários para tanto. Além disso, busca a integração com outras instituições públicas, em todas as esferas de Governo, e com a sociedade.
Em Jales, o atendimento feito pela Polícia Civil, acontece na Central de Polícia Judiciária, que integrou todas as delegacias de polícia da cidade, diuturnamente e sem qualquer prejuízo, pois são registradas as ocorrências, requisitados os exames de corpo de delito, colhidas as provas para o esclarecimento dos fatos, garantia de proteção policial, quando necessário, remessa do pedido de medidas protetivas de urgência ao Poder Judiciário, encaminhamento da mulher e dependentes a estabelecimentos de saúde ou para local seguro, além de outras providências que cada caso exigir e nos limites dos recursos disponíveis.
A Lei nº 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, em homenagem à Maria da Penha Maia Fernandes, vítima de violência cometida por seu ex-marido, é o resultado de lutas de movimentos de mulheres e feministas, por uma legislação contra a violência doméstica e familiar, pelo fim da impunidade e garantias de direitos às mulheres vítimas de violência ou discriminação, numa sociedade ainda marcada pela dominação patriarcal. A Lei Maria da Penha também deixou de tratar crimes praticados contra mulheres no âmbito doméstico, por exemplo, ameaça e lesão corporal, como infração penal de menor potencial ofensivo, proibindo a aplicação de penas pecuniárias com o pagamento de cestas básicas ou multas, bem como estabeleceu políticas públicas integradas e voltadas para a prevenção e assistência pela União, Estados e Municípios e sociedade civil.
Violência doméstica contra mulher é qualquer ação ou omissão, baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, de acordo com a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher (Convenção de Belém do Pará). O artigo 5º da Lei nº 11.340/2006 fornece o conceito legal de violência doméstica e familiar contra a mulher: "Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral e patrimonial".
A Organização das Nações Unidas – ONU reconhece a Lei nº 11.340/2006 como uma das três melhores legislações do Mundo, com vistas ao enfrentamento da violência praticada contra a mulher.
Vale lembrar que os casos de violência contras as mulheres, na grande maioria, são praticados por maridos, companheiros e namorados ou após o término do casamento ou relacionamento, chegando a 80% dos casos, segundo Pesquisa da Fundação Perseu Abramo.
O uso de álcool e de drogas ilícitas (maconha, cocaína e crack etc) também é um dos fatores para o aumento de casos de violência, conforme demonstram os registros das ocorrências na delegacias de polícia.
Agora, muito tem que ser feito para o cumprimento da Lei Maria da Penha e em atenção às recomendações da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher (Convenção de Belém do Pará) e da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher da Organização das Nações Unidas – ONU (Convenção Cedaw), das quais o Brasil é signatário. Todos, portanto, homens, mulheres, governos e sociedade devem somar esforços e, por intermédio de um trabalho articulado, buscar a aplicação da legislação e, o mais importante, a mudança de comportamento, que permita a harmonia na convivência e na igualdade entre as pessoas.
 


Basquete de Jales estreia com vitória na Liga Regional

No domingo, 5 de março, a equipe de Basquetebol de Jales disputou, às 9 h oras, a rodada de abertura da VII Copa Monte Líbano/Liga Regional de Basquete – 2017, cujos jogos são disputados no complexo de quadras do clube que patrocina e dá nome à competição, em São José do Rio Preto. Em seu jogo de estreia, a equipe jalesense derrotou uma das equipes anfitriãs, Monte Líbano, pelo placar de 69 x 61.

foto - Jogaram e pontuaram pela equipe de Jales: Thiago Silva (12), Allan Oliveira (15), Júlio Aldrigue, Osvaldo Santos (11), Lucas Viana (02), Osvaldo Landin Jr. (02), Rafael Peixoto, Victor Santos (02), Fábio Galan (10) e Tiago Dan (15)

Esta é a sétima edição do maior campeonato de basquetebol do interior do estado de São Paulo e também a sétima participação da equipe jalesense. O basquete de Jales coleciona, entre outros, como resultados, ao longo das seis participações anteriores, a condição de vice-campeão da Série Ouro, Campeão, Vice Campeão e terceira colocação da Série Prata, todas da primeira divisão da competição.

Neste ano, participam da Copa, na categoria principal, 12 equipes (quadro ao lado ): 7 que já haviam garantido suas vagas pelo desempenho na competição do ano passado (caso de Jales), mais outras 5 equipes que conquistaram suas vagas em uma seletiva realizada no mês de fevereiro, disputada por 18 equipes.

O próximo confronto da equipe de Jales será no dia 19 de março, contra a equipe de Monte Aprazível.

2ª Copa Monte Líbano Master - Além da equipe principal, neste ano Jales também contará com uma equipe que disputará a 2ª. Copa Monte Líbano Master, destinada a equipes formadas por atletas com 40 anos ou mais. No ano passado, atletas de Jales integraram metade da equipe que sagrou-se vice-campeã da 1ª. edição da competição. Os jogos desta categoria serão disputados quinzenalmente aos sábados, também na sede do Clube e o primeiro confronto será no próximo dia 18, às 14h30, onde Jales enfrentará a equipe anfitriã e atual campeã da competição, Monte Líbano.

Karatecas da região conquistam medalhas em fase classificatória do Paulista em Presidente Prudente

No sábado, 4 de março, karatecas de Jales, Urânia, Estrela D’Oeste, Fernandópolis e Santa Fé do Sul disputaram e conquistaram medalhas na primeira etapa classificatória do Campeonato Paulista da Federação Paulista de Karatê (FKP) 2017 , realizado no ginásio de esportes "Watal Ishibashi", na cidade de Presidente Prudente/SP, sendo 7 medalhas de ouro, 7 medalhas de prata e 8 medalhas de bronze.

Como o karatê foi reconhecido em 2016 como um esporte olímpico, o certame paulista é o primeiro passo para atletas deste esporte que desejam fazer parte da seleção brasileira, que
 
 
 
 
 
participará dos Jogos Olímpicos de 2020 em Tókio.

"Existem outras federações de karatê em nosso estado, mas somente através da FPK, da qual fazemos parte, karatecas paulistas podem almejar a participação em uma olimpíada", explica Sensei Edson, informando ainda que a FPK a partir deste ano desenvolverá um trabalho específico para preparação de atletas do karatê paulista que pretendem ingressar na Seleção Brasileira para uma possível participação nos jogos olímpicos.

Com as medalhas conquistadas em Presidente Prudente, os atletas conquistaram vagas para disputar as finais do Campeonato Paulista, que serão realizadas no mês de maio na capital paulista..

Os medalhistas de ouro foram Bruno Nagata Rios (katá – sub-10, faixa verde à preta), Bruno Takeda Morita (kumitê – cadetes, faixa roxa à preta) e Evandro Toshio Morita (katá, máster, faixa roxa à preta), de Jales; Anderson Carlos Palasio (kumitê – sênior, faixa amarela à verde), Giovani Sartori Serra (kumitê – júnior, faixa roxa à preta) e Sérgio Ricardo Dutra Gasques (kumitê – máster, faixa amarela à verde), de Urânia; e Nelson Macário de Faria Lima (katá – máster, faixa amarela à verde), de Fernandópolis.

As medalhas de prata foram conquistadas por Bianca Maemori Mori (katá, cadetes, faixa amarela à verde) e Júlio Cesar Goes Garcia (katá, júnior, faixa amarela à verde), de Jales; Fernando Reimam da Silva (katá, cadetes, faixa amarela à verde), Karleane Santos Pereira (2-katá e kumitê, sub-14, faixa amarela à verde) e Miguel Vieira Paes (katá, sub-10, faixa amarela à laranja), de Estrela D’Oeste; e Sandro Roberto Sebim (katá, máster, faixa roxa à preta), de Santa Fé do Sul.

As medalhas de bronze foram conquistadas por Ana Laura Lopes Souza (katá, sub-12, faixa amarela à verde), Caio Matsukawa Rugai (kumitê, sub-10, faixa amarela à laranja), Eder Yoshizaki Takeda (katá, sênior, faixa roxa à preta), Edson Carlos Sanches Maemori (kumitê, sub-10, faixa amarela à laranja) e Thiago Takeshi Hashimoto (kumitê, júnior, faixa roxa à preta), de Jales; Fernando Reimam da Silva (kumitê, cadetes, faixa amarela à verde), de Estrela D’Oeste; e pelo Sensei Edson (2-katá e kumitê, sênior, faixa roxa à preta).

Destaque desta vez para os atletas Anderson Carlos Palasio de Urânia que venceu todas suas lutas por uma diferença maior do que 8 pontos e Bruno Takeda Morita que conquistou a medalha de ouro lutando com 13 anos na categoria cadetes (14/15 anos). "O Anderson é um exemplo de dedicação, esforçando-se para conciliar os treinos extras com o trabalho e no caso do Bruno, como ele completa 14 anos neste ano, antes das finais, ele já deve participar como cadete", explica o professor.

O professor fez questão de agradecer o apoio recebido de órgãos públicos na cessão de ônibus para transporte dos atletas até Presidente Prudente, como também o apoio que vem recebendo dos pais dos atletas. "Não basta apenas a dedicação do professor como técnico, é essencial também a força de vontade do atleta, o apoio da família, das prefeituras e de alguns patrocinadores para a formação de atletas com condições de participar de competições oficiais", finaliza Sensei Edson, observando que o karatê também está de braços abertos àqueles que desejam apenas praticar um esporte para condicionamento físico, mental e espiritual, sem a participação em competições.

FOLHAGERAL

da redação

Sexta-feira (3)


teve inicio o recape nas vias públicas da cidade de Jales. Na rede social, e fora dela, o prefeito Flá Prandi (DEM) foi detonado, dado um serviço inicial feito na Avenida Francisco Jalles, que todos imaginaram ser o recape real. Se o prefeito municipal contasse com boa assessoria de imprensa, a população ficaria bem informada.

Comunicação


da administração pública com a população, usando os vários meios que existem, não deve ser negligenciada para não causar desentendimentos. Além disso, no caso do recape asfáltico, os contribuintes vão pagar o empréstimo à Investe SP para execução dos serviços, via Prefeitura Municipal.

O vereador


Kazuto Matsumura (PSB) quer saber, do prefeito Flá Prandi, informações relativas ao contrato da Prefeitura de Jales com a empresa TETRAN Soluções em Tecnologia de Trânsito, que opera a "área azul" de estacionamento na cidade. Kazuto questiona a respeito do cumprimento dos direitos trabalhistas pela TETRAN com seus empregados, bem como sobre o contrato firmado pela prefeitura coma empresa.

A lei de


autoria do vereador suplente Luis Fernando Rosalino (PT), quando no exercício do cargo, aprovada por unanimidade no legislativo jalesense, que proíbe a colocação de panfletos em parabrisa de veículos, continua sem a devida aplicação. É lamentável que uma lei aprovada pelo Legislativo fique engavetada.

O vereador


Vanderley Vieira dos Santos "Deley" (PPS), em requerimento aprovado por unanimidade, solicita do prefeito Flá Prandi a possibilidade de aportar um valor maior à Associação Anti-Alcóolica de Jales, em virtude do repasse atual estar muito aquém das necessidades da instituição. Pedido justificável, pela importância do serviço da Associação.

Já tem gente


de olho no recape que está sendo feito pela administração municipal com recursos emprestados junto à agência Investe SP. Não é para verificar se os serviços estão sendo executados com boa qualidade, mas sim se o recape estará sendo realizado em ruas cujo movimento de carros exige a melhoria em caráter urgente. Ou seja, para evitar o tal de cumpadrio.

Os vereadores


Nivaldo Batista de Oliveira "Tiquinho" (PSD) e João Valeriano Zanetoni (PSB) estiveram, na terça-feira (07 de março), na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo e se reuniram com o deputado estadual Gilmar Gimenes (PP), de base eleitoral em Fernandópolis. Eles solicitaram ao deputado a liberação de recursos no valor de R$ 500 mil para manutenção da Santa Casa de Jales. Pediram também recursos para a Santa Casa ao deputado estadual Orlando Bolçone (PSB), de base eleitoral em São José do Rio Preto.

Os nobres


vereadores jalesenses não devem se esquecer que muitas da ruas da cidade não serão beneficiadas com o recapeamento asfáltico, mas vão precisar receber o melhoramento. Portanto, uma verbinha aqui, outra acolá, solicitadas para tal fim vão cair bem. Se é assim que a transferência de verbas se faz no país, é assim que precisa ser feito.

De acordo


com o Boletim de Ocorrência Ambiental nº 160806, registrado em 14 de dezembro de 2016, foram apreendidos pela PM: 12,376 m³ de madeira transportada sem licença válida para toda a viagem. Essa gente não tem jeito, insiste em fazer o que não deve.

Com base


no documento, os vereadores apresentaram requerimento ao Prefeito Flá Prandi, solicitando informações sobre a madeira apreendida pela Polícia Militar Ambiental de Jales, no ano passado. Boa solicitação para evitar desvios e desperdícios.

Diz o requerimento


dos vereadores: "Após o confisco, a madeira ficou depositada provisoriamente no pátio do almoxarifado da Prefeitura Municipal e já teria sido destinada para uso em diferentes obras".

Não é preciso


fazer pesquisas para saber que hoje muitos eleitores estão afastados dos políticos e dos partidos políticos. Entre os jovens, que se comunicam na redes sociais da internet, onde os políticos e os partidos pouco participam, a coisa fica feia.

Quem deseja


fazer carreira política vai ter que mudar muito a forma de fazer política para ter sucesso. Não vai bastar ter popularidade na mídia, porque alguns escorregões podem marcar negativamente e estragar tudo. Como sempre, a confiança será o crédito do político.

Ainda não


se sabe o número de deputados estaduais e federais independentemenete do partido político a qual pertence mas que receberam votos no município que estiveram em Jales este ano trazendo sempre um boa nova: recursos. Eles sempre aparecerem quando os governos estadual e federal liberaram verbas. Bem, existe aquela atenuante de que os políticos locais correm atrás deles com o pires na mão, e não cobram a presença dos deputados no municipio.

Até o momento


em que digitávamos as últimas linhas desta coluna, não havia inscrição para o cargo de Conselheiro, para integrar o Conselho Consultivo, Deliberativo e Fiscal do Instituto Municipal de Previdência Social de Jales SP.

Por influência


do então vereador, Gilberto Alexandre de Moraes (DEM), como ele mesmo apregoou na quinta-feira (09) pela manhã, no Paço Municipal com algumas testemunhas, os vereadores rejeitaram no projeto de lei qualquer pagamento aos conselheiros eleitos. Sem nenhuma gratificação, ou seja lá o que for, quem irá exercer uma atividade dessa gratuitamente?

Agora


caberá ao ex-vereador e aos edis que rejeitaram a gratificação aos conselheiros, convencerem os servidores a se inscreverem para os cargos. Afinal eles vão fiscalizar o que são de seus interesses.

Liberdade falsa

Reginaldo Villazón

A entrada no terceiro milênio – em 01 de janeiro de 2001 – aconteceu sob grandes expectativas. Havia a esperança de – chegada a nova era – as guerras, os confrontos ideológicos, as ditaduras, as crises econômicas e os conflitos sociais terem de ficar para trás. Hoje, passados 16 anos, não há sinais de bonança. As desigualdades e disputas continuam nos Estados Unidos, na Palestina, na Europa, no Oriente Médio e outras partes do mundo, por motivos étnicos, culturais, políticos, religiosos, econômicos e outros.

A sufocação dos valores humanos, a degradação das riquezas naturais e a devastação ambiental indicam que a vida no planeta pode ficar insustentável. Para complicar, as instituições políticas, econômicas e financeiras – e suas lideranças – se revelam incapazes de oferecer respostas eficazes a tais desafios. Mas nada disso ocorre por acaso. Percebem-se sinais de que mudanças estruturais se tornam urgentes e tendem a se realizar ainda neste século para dar espaço a transformações necessárias.

Estudiosos da história contemporânea assinalam que muitos modelos políticos e econômicos foram ultrapassados e eliminados no Século 20, como o colonialismo, o nazismo, o fascismo, o comunismo, o socialismo. A democracia triunfou como regime político e o capitalismo triunfou como sistema econômico, ambos baseados em liberdade. Parecia mesmo que o terceiro milênio seria como um oceano de águas tranqüilas, favorável à navegação de um grande navio com a humanidade feliz a bordo.

No entanto, os estudiosos observam que a democracia e o capitalismo não se convergem, não se harmonizam. Ao contrário, eles se bifurcam, se afastam e isto pode ser uma ameaça à civilização. De forma simples, a democracia estimula a participação dos cidadãos na vida nacional em condições de igualdade. O capitalismo induz os cidadãos à competição no mercado, à disputa pela posse privada de bens escassos. Ou seja, a democracia promove a igualdade, o capitalismo promove a desigualdade.

Quando um povo sai às ruas em passeata, movido por valores democráticos, reivindica o acesso de todos a bons serviços públicos – transporte, educação, saúde, lazer – e igualdade de oportunidades para trabalhar e empreender. Esta vontade popular é coerente com a democracia. Por outro lado, o capitalismo impõe a divisão do povo em classes econômicas – financistas, patrões, empregados, autônomos – com níveis de renda muito desiguais. É fácil entender o poder explosivo dessas divergências numa nação.

A ameaça real é a crescente desumanização gerada pelo capitalismo sustentado por dogmas (engodos), como livre iniciativa, competição livre, mercado livre. As verdades, razões e vontades dos cidadãos devem ser validadas pelo mercado. O cidadão livre é transformado em consumidor cativo. A política é subjugada pelo capital. A democracia vira luta de rua contra a exclusão, em favor da sobrevivência num mundo egoísta, desigual e competitivo. A humanidade terá que fazer acontecer a nova era de prosperidade.

Chamada aos universitários

José Renato Nalini
secretário estadual de Educação

 
Um dos excelentes programas da Rede Estadual da Educação é a chamada "Escola da Família". Abertura dos estabelecimentos escolares aos sábados e domingos para que a família e a comunidade participem, ao lado dos alunos, desses espaços de convívio e aprendizagem.

Há treze anos funciona o projeto e com resultados gratificantes. Cada escola tem sua vocação, atendendo às singularidades do território ocupado. Tudo pode ser ali realizado e render bons frutos: oficinas de artesanato, prática de esportes, leitura, início ou continuidade de labor em artes plásticas. Reforço escolar é uma atividade que envolve voluntários aptos a contribuir com o aprendizado das crianças e jovens. Reuniões de associações do bairro, cursos os mais variados, encontro para a convivência e para a disseminação de uma consciência de pertencimento. Afinal, a escola foi construída com dinheiro do povo, é mantida com dinheiro do povo e o povo tem o direito e o dever de participar concretamente de sua existência.

O programa continua e é forte em virtude de uma série de fatores. Há um vice-diretor ou professor responsável. Há voluntários que oferecem algumas horas de seu tempo em benefício da causa sublime da educação mais qualificada que se possa oferecer ao educando paulista. E há os universitários, que recebem do Estado meia bolsa para a continuidade de seu curso em Faculdade particular, para permanecer durante o sábado ou domingo na escola aberta para a comunidade.

As vantagens são evidentes. O universitário tem a possibilidade de continuar seus estudos e, simultaneamente, realizar um estágio que nem sempre teria condições de fazer. A experiência com as crianças e com seus familiares e frequentadores da escola é enriquecedora. Tanto que há muitos deles que, após a formatura, continuam a participar do programa, agora como voluntários.

É uma fórmula inteligente de fazer com que públicos diferentes, nem sempre afeitos a um convívio, troquem experiências e cresçam em cidadania e maturidade.

A boa notícia é a de que 3.771 novas vagas estão abertas para universitários que quiserem se habilitar à participação no Projeto "Escola da Família". Todos os interessados devem acessar o endereço eletrônico escoladafamilia.fde.sp.gov.br até o próximo dia 15 de março. Turbinemos um padrão de excelência que transforma a vida das pessoas e, com isso, melhora a qualidade existencial para todos os brasileiros.
 

2017 será longo

Clemente Ganz Lúcio é Sociólogo, diretor técnico do DIEESE, membro do CDES - Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social e do Grupo Reindustrialização

Sempre é a luta que, em campos ou situações adversas, predomina na vida sindical. Assim será em 2017, um ano que, para os trabalhadores, talvez nem devesse ter começado!

O desemprego crescerá porque a economia continuará patinando, o que dramaticamente compromete a vida dos trabalhadores e a perspectiva geral do desenvolvimento do país. Por isso, a centralidade da luta pelo emprego, o que requer uma visão estratégica de como retomar e sustentar o crescimento e o desenvolvimento econômico nacional e soberano.

As escolhas dos caminhos para o desenvolvimento de uma das maiores economias do planeta envolvem múltiplos e poderosos interesses, em um jogo que vale tudo. A democracia é uma construção política para colocar limites ao vale tudo e, com regras, fazer as escolhas a partir do debate público e com participação social. Defendê-la será uma grande tarefa para este ano.

O desenvolvimento nacional soberano é resultado de múltiplas relações que materializam o que somos capazes de criar e produzir neste território, com o nosso povo, e de como cooperamos com os demais países. Nossa soberania depende: da existência real de empresas nacionais capazes de produzir em condições competitivas mundialmente; de um mercado interno de consumo robusto, sustentado por empregos e salários de qualidade, e por uma forte capacidade de investimento. Todas essas frentes estão fragilizadas e precisam ser recuperadas.

Contudo, o governo encaminha a venda do Brasil e da nossa soberania. Os compradores, ávidos pelas riquezas do mundo, já afirmaram: o Brasil está barato! Querem, entretanto, garantias para suas compras. Quais? As clássicas: garantia de propriedade, de contratos com regras vantajosas, de financiamento, de lucro sem imposto, etc. Exigem também quatro grandes reformas: o fim de reservas e limites aos estrangeiros para acesso a minérios (petróleo, inclusive), terras, mercado (aéreo, bancário, etc.); limite do gasto do estado, já aprovado no Congresso e em vigor por 20 anos; reforma da previdência e a reforma trabalhista (efetivo controle do custo do trabalho), em pauta no Congresso a partir de hoje para serem votadas neste ano.

O nosso desenvolvimento soberano exige, sem dúvida, muitas e difíceis reformas e mudanças, inclusive em muitos dos temas acima, mas também em muitos outros. Contudo, as mudanças devem ser no sentido de promover transformações na nossa estrutura produtiva para gerar crescimento dos empregos de qualidade, aumento dos salários, diminuição significativa das desigualdades etc. As regras e iniciativas devem favorecer para que este objetivo seja construído por uma efetiva e forte capacidade produtiva nacional, integrada e cooperando de forma soberana com o mundo.

Há muita confusão e muita desinformação difundidas propositalmente. Cada tema mobiliza poderosos interesses e envolve inúmeras possibilidades de mudanças que exigirão difíceis escolhas estratégicas. Para que isso seja feito de maneira consciente e compromissada com as dificuldades do presente, com os desafios do futuro e com as nossas reais e potenciais possibilidades, é preciso que o debate e as escolhas estejam lastreados nos legítimos espaços democráticos.

Nosso desafio é percorrer 2017 lutando para que nossa esperança de sermos um país desenvolvido não seja destruída ou vendida. Não será fácil, mas quando a vida foi fácil para os trabalhadores? Nós crescemos na adversidade. É hora de, como sempre, ir à luta. Avante!

Vereadores aprovam programa da “Minha Casa, Minha Vida” em Jales

Na manhã desta quinta-feira, 9 de março, os vereadores em sessão extraordinária, convocada pelo presidente Vagner Selis discutiram e votaram projeto de lei de autoria do Poder Executivo, que dispõe sobre a criação do "Programa Especial Minha Casa, Minha Vida", vinculado ao "Programa Minha Casa, Minha Vida"- PMCMV do Governo Federal.

O Programa MCMV tem subsídios bancados pelo tesouro nacional e baixas taxas de juros no financiamento, com recursos do FGTS. Os estados e municípios podem, ainda, complementar o valor das subvenções econômicas com créditos tributários, benefícios fiscais, recursos financeiros, entre outros.

Segundo o prefeito Flá Prandi, Jales tem um déficit habitacional de cerca de 6.000 moradias. A implementação do programa, além de promover a redução desse déficit, terá efeitos imediatos na economia, vai gerar empregos, renda, e movimentar o comércio local.

Os vereadores rejeitaram uma emenda aditiva ao projeto, de autoria de Nivaldo Batista de Oliveira (PSD) e Luiz Henrique Viotto (PP), que adicionava alguns parágrafos à p´ropositura.

Todos os vereadores estiveram presentes na Sessão e aprovaram o Projeto de Lei sem alterações queserá encaminhado ao Poder Executivo para a sua sanção e promulgação.

Presidente e vice da Câmara de Catanduva têm bens bloqueados a pedido do Ministério Público

Atendendo a pedido do MPSP, a Justiça concedeu liminar determinando o bloqueio de valores de cinco pessoas, entre elas o presidente da Câmara de Vereadores de Catanduva, Aristides Jacinto Bruschi (Enfermeiro Ari) e o vice-presidente da casa, Wilson Aparecido Anastácio (Wilson Paraná). Os outros atingidos pela medida, datada da última segunda-feira (6/3), são os ex-vereadores do município Aparecido de Lima e Vagner Luiz Pimpão Bersa, além de Tânia Regina Lisboa dos Santos, que atuou como assessora de Lima na Câmara.

Todos são alvos de uma ação por improbidade administrativa ajuizada pelo promotor de Justiça André Luiz Nogueira da Cunha. Em 2015, o MPSP apurou que os vereadores vinham usando assessores da Câmara para a realização de trabalhos particulares. Além disso, era exigido que os assessores dividissem seus salários com os políticos. Um exemplo do esquema foi relatado por uma testemunha, cujo depoimento foi um dos usados pela Promotoria como base para a petição inicial. Aparecida Elieide Leite informou que foi assessora parlamentar de Aparecido de Lima entre março e maio de 2014, a convite do próprio vereador. Durante esse período, sempre dentro do gabinete, Tânia e Lima mencionavam que precisavam de dinheiro.

Quando recebeu o primeiro salário, a assessora foi pressionada pela dupla que, "em meio a gritaria e escândalo", exigiam a entrega de mil reais. Quando recebeu o segundo salário, Aparecida deixou o dinheiro em sua bolsa. Foi quando Tânia e Lima mexeram nos pertences da funcionária e subtraíram todos os valores que lá estavam. Segundo a própria assessora, ela perdeu para a dupla de agentes públicos o valor total de R$ 2.400. A prática foi confirmada em depoimento por várias testemunhas.

Com a liminar concedida, ficam bloqueados bens móveis e imóveis dos réus até o montante necessário para assegurar o ressarcimento integral do valor ilicitamente acrescido ao patrimônio de cada requerido, mais multa que vier eventualmente a ser aplicada. Para fins de bloqueio, a multa foi fixada em 10 vezes a remuneração recebida à época por cada requerido. (Núcleo de Comunicação Social)