Páginas

sábado, 1 de fevereiro de 2014

A pedido de Saracuza, deputado Carlão reivindica recursos pavimentação asfáltica


 
O deputado estadual Carlão Pignatari apresentou reivindicação do prefeito Francisco Airton Saracuza, de Urânia, em audiência com o secretário adjunto da Casa Civil, Rubens Cury, O pedido é de liberação de R$ 300 mil para a execução de obras de infraestrutura no município.

De acordo com o prefeito Saracuza, os recursos serão destinados a serviços de pavimentação asfáltica em diversos pontos da cidade. "Muita gente ainda sofre com o problema de barro em época de chuva e poeira na seca com as ruas sem asfalto", explicou o prefeito.

Saracuza esteve em Votuporanga na quarta-feira, 29 de janeiro, acompanhado do deputado Carlão Pignatari, oportunidade em que renovou o convênio do Projeto Vivaleite com a Secretaria estadual de Desenvolvimento Social, pelo período de mais dois anos.

Carlão destacou que "Urânia é uma cidade que vem apresentando um rápido desenvolvimento e necessita da realização de obras de infraestrutura, para que a população tenha uma melhor qualidade de vida"

Mortes no trânsito e "os planos de Deus"

Luiz Flávio Gomes

Com um porsche em alta velocidade (116 km/h) um engenheiro matou uma advogada. E disse: "Estava nos planos de Deus". O Brasil é um dos campeões mundiais em mortes no trânsito (mais de 42 mil, em 2010). Montesquieu, Beccaria e todos os iluministas diziam, no século XVIII, que "causas de atos indesejados" são as leis injustas assim como a existência de humanos irracionais, supersticiosos e "não ilustrados". O que mais existe no Brasil, no entanto, é gente pouco ilustrada (3/4 da população não sabem ler ou escrever ou não entendem o que lê ou não sabem operações matemáticas mínimas – pesquisa Inaf). As mortes no trânsito, de qualquer modo, são geradas por todos (ilustrados ou não ilustrados).

Somos rigorosos e exigentes com o Estado. Cobramos dele duramente o cumprimento dos seus deveres (de fiscalização, de engenharia das estradas, de primeiros socorros e de punição). Mas normalmente descuidamos dos nossos. Ato típico de povo mal educado para a cidadania, ou seja, muito pouco domesticado (como dizia Nietzsche), independentemente da classe social. Dirigimos depois de beber ou em alta velocidade e atropelamos pedestres e ciclistas nos julgando "ases no volante" e protegidos por forças superiores. A cultura da irresponsabilidade está impregnada no nosso DNA. Não somos treinados para a prevenção. Não abrimos mão dos nossos prazeres (beber, falar ao celular, correr etc.) para privilegiar nossos deveres de cidadania e convivência coletiva. Estatisticamente, 75% dos acidentes derivam de falhas humanas (destaque para a imprudência e o álcool). Nenhuma morte como "plano de Deus" aparece na estatística.

O brasileiro é pacato (dizem), salvo na direção do veículo, na violência machista, na agressão dos pais contra as crianças, nas ofensas aos idosos, nos estádios de futebol, nas manifestações...  O Detran de SP, por exemplo, só investe 0,05% do dinheiro de multas em educação para o trânsito (Folha de S. Paulo de 01.08.12, p. C1). Isso não escandaliza. Também nós não nos educamos, muitas vezes nem sequer para a vida (do contrário, ¾ da população não seriam analfabetos ou precariamente alfabetizados).

A conscientização, a responsabilidade individual, a noção de cidadania e o respeito ao outro são a solução para menos mortes no trânsito. Quem já alcançou isso? Os países adeptos do capitalismo financeiro evoluído e distributivo (Dinamarca, Coreia do Sul, Noruega, Japão, Canadá etc.). Colhem os bons frutos da educação universal, têm baixíssima violência, trânsito seguro e alta qualidade de vida. Nos países de capitalismo financeiro selvagem e extrativista, moralmente degenerados, ao contrário, prospera o ignorantismo e a superstição (não a responsabilidade individual, o imperativo dos deveres e o aprimoramento ético). O homo democraticus do século XXI, nesses países, abusa da sua vulgaridade e irresponsabilidade.

Temos ojeriza a obedecer às leis assim como à igualdade no trânsito. Nunca imaginamos que o "vermelho" é "vermelho" para todos (ricos e pobres, pretos ou brancos). Na nossa cultura hierarquizada, os membros das classes superiores (A e B) se sentem no direito de ter privilégios frente ao sistema legal (DaMatta).  Concordamos que os motoristas irresponsáveis sejam punidos severamente, mas não observamos as regras de trânsito (ultrapassamos em lombadas e andamos no acostamento e na contramão). A possibilidade de um acidente aumenta 23,2 vezes quando se digita uma mensagem ao volante (Valor Econômico de 30.03.12, p. D8): isso é corriqueiro e ainda trafegamos sem cinto de segurança, com luzes queimadas ou freios não revisados. Observar as leis no Brasil, como se diz, é coisa de gente idiota, tola, inferior, sem relações sociais e sem os capitais distintivos de classe (econômico, salarial, cultural, social, emocional, moral/ético e familiar). Nós, tolos não somos; somos imbecis (muitas vezes). Luiz Flávio Gomes, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Estou no professorLFG.com.br

AVCC Jales promove a 5ª Festa das Mulheres

Com o slogan "Em clima de Copa" a Associação de Voluntários de Combate ao Câncer - AVCC Região de Jales, deu inicio aos preparativos para a tradicional festa que é realizada em março, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher.
Com traje obrigatório Verde e Amarelo, a 5ª Festa das Mulheres será promovida no dia 8 de Março, com inicio às 20 horas com término às 1h30m, no Vila Dourados.
O convite pode ser adquirido na AVCC Região de Jales à rua Belém n° 2660, jardim Paulo VI ou pelos telefones
17-36211507 e 3621-6460
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Rodrigo e Miriam

















































 A enfermeira Miriam Carla Piassale, filha de Henrique Cezar Piassale e Vanilde Ramalho Piassale (família de Turmalina) e o engenheiro agronômo Rodrigo Feletto, filho de Vanda Rodolpho Feletto e Anilton Feletto (família de Dolcinópolis), escolheram o dia 28 de dezembro de 2013, para oficializarem a união e receberem as bençãos matrimoniais na igreja matriz de Turmalina, seguida de recepção no Centro Comunitário de Turmalina. A cerimônia do casamento esteve a cargo da jalesense Jocélia Cabrini.

EDITAIS DE PROCLAMAS

Ademir de Mattis, Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas da Sede da Comarca de Jales, Estado de São Paulo. FAZ SABER que pretendem casar-se e apresentaram os documentos exigidos pelo artigo 1.525 do Código Civil Brasileiro.

JOSÉ CARLOS TARIN e GUIOMAR DIONISIO. ELE, natural de Guapiaçú, deste Estado, nascido aos 18 de maio de 1.949, aposentado, divorciado, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Antonio Tarin e de Francisca Batista. ELA, natural de Pedra do Bola, Estado de Alagoas, nascido aos 24 de outubro de 1.962, aposentada, divorciada, residente e domiciliada em Jales, filha de José Dionisio da Silva e de Laudelina Alves Dionisio.

DELSON AGUILAR e SUELI PEREIRA DA SILVA. ELE, natural de Uchôa, deste Estado, nascido aos 01 de outubro de 1.959, funcionário publico estadual, viúvo, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Antonio Aguilar e de Francisca Coron Aguilar. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 25 de dezembro de 1.960, do lar, divorciada, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Adelice Pereira da Silva.

ANDREI LUCIANO SIMÃO DE BRITO e JÉSSICA FERNANDA DA SILVA. ELE, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 16 de fevereiro de 1.987, auxiliar de mecânico, solteiro, residente e domiciliado nesta Cidade, filho de Manoel José de Brito e de Zelia Simão. ELA, natural de Jales, deste Estado, nascido aos 30 de abril de 1.991, do lar, solteiro, residente e domiciliada nesta Cidade, filha de Jose Mendes da Silva e de Maria Candida Borges.

SE ALGUÉM SOUBER DE ALGUM IMPEDIMENTO OPONHA-O NA FORMA DA LEI. LAVRO OS PRESENTES PARA SEREM AFIXADOS NO REGISTRO CIVIL E PUBLICADOS NA FOLHA NOROESTE, NESTA CIDADE DE JALES.

Ademir de Mattis - Oficial


Santa Fé do Sul receberá a humorista Nany People

 
Chega a Santa Fé do Sul, pela primeira vez, o stand’up comedy com a humorista, Nany People. O evento acontecerá no dia 16 de fevereiro, às 20h30, no Complexo Cultural

A comercialização dos convites começa na próxima segunda-feira, 3, os pontos de venda são o Complexo Cultural e CNA. O valor do ingresso é de R$ 15,00 para estudantes – com a apresentação de carteirinha – e quem comprar antecipado. Os convites são limitados. A realização do show de humor é uma parceria entre a empresa 7even Comunicação & Marketing e a Secretaria de Cultura de Santa Fé do Sul.

Atualmente o show solo da artista é considerado um dos melhores do país, com apresentações em várias cidades do Brasil e também no mundo. Nany vem de uma temporada no Japão e Nova Iorque.

Stand’up comedy – A comédia stand-up é um termo que designa espetáculo de humor executado por apenas um comediante, que se apresenta geralmente em pé (daí o termo ‘stand-up’), sem acessórios, cenários, caracterização, personagem ou o recurso teatral.

O humorista stand up não conta piadas conhecidas do público (anedotas). O texto é sempre original, normalmente construido a partir de observações do dia a dia e do cotidiano.

Nany People – nasceu em Machado, Minas Gerais, mas foi criada em Poços de Caldas, onde iniciou sua carreira teatral. Fez curso de extensão universitária de interpretação pela Unicamp e estudou teatro no Teatro Escola Macunaíma. 1997 – Repórter do programa "Novo Comando da Madrugada" – Rede Manchete - 1999 – Repórter do programa "Flash" – Rede Bandeirante - 2001 a 2006 – Repórter do "Programa da Hebe" – SBT - 2007 a 2008 – Atuou na "A Praça é Nossa" – SBT - 2010 – Participante do Reality Show "A Fazenda" – Record e 2012 – Jurada do programa "Cante se puder"  - SBT

Discernimento e responsabilidade

D. Demétrio Valentini

Parecia tudo tranquilo para 2014. Os eventos já marcados, bem garantidos por um calendário estabelecido com absoluta prioridade: a copa do mundo, e as eleições de outubro.

Mas eis que de repente surge uma interrogação inquietante: como vai ser esta copa? E como serão as eleições, que dependerão muito do resultado da copa.

Uma interrogação que envolve, portanto, os dois eventos principais, previstos para este ano.

O temor se concentra na probabilidade de manifestações populares. Como serão, que repercussão terão, qual sua força de intervenção nos diversos eventos programados.

Uma coisa é certa, e necessita de nossa atenção. Muitos preferem águas turvas para pescar. Estão torcendo pelo pior. E não terão escrúpulos de usar a violência para conseguir seus objetivos.

Diante desta postura, assumida e organizada por grupos bem identificados, não resta dúvida que cabe ao poder público estar atento, e coibir ações criminosas, que se valem da legitimidade de manifestações populares, para encobrirem seus intentos criminosos.

Um fenômeno interessante está tomando forma. No país do futebol, se avolumam os questionamentos à maneira como vem sendo organizada a Copa do Mundo. Este questionamento se amplia, ao constatarmos onde foi parar este esporte tão envolvente e tão próximo das camadas mais pobres da população.

O futebol foi domesticado, e apropriado indevidamente pelo poder econômico, a tal ponto que virou simplesmente um negócio, que vai tirando a beleza deste esporte tão democrático e tão popular.

Esta tendência contagiou negativamente todos os níveis do futebol. Desde os campeonatos de várzea, até a organização mundial do futebol, simbolizado pela FIFA, que tem na organização da copa do mundo sua incumbência maior.

Hoje, qualquer menino que dá seu primeiro chute numa bola, já começa a sonhar em ser um grande jogador, ganhando salários fabulosos. E como de fato o futebol acarreta somas fabulosas, a Copa do Mundo acabou ficando refém da grande especulação financeira que gira ao seu redor.

Ao chegar o tão esperado "ano da copa", parece que "o país do futebol" tem um questionamento importante a fazer aos cartolas, que se apoderaram indevidamente deste esporte tão popular, que não pode ficar reduzido a uma trama de negócios escusos.

Mas para nos habilitarmos a transmitir esta mensagem de questionamento, não podemos perder a credibilidade que nos habilita a tomar uma posição esclarecida, madura e responsável.

Se é para fazer manifestações populares, providenciemos as condições para que elas se façam ordeiramente, sem violência e sem intenções malévolas, seja de que ordem forem.

Uma das belezas maiores do futebol decorre da rigidez de suas normas, que o juiz se encarrega de aplicar. A democracia também precisa de regras claras, seguidas com rigor. Também quando se trata de manifestações de massa.

O ano da copa e das eleições nos convida para o discernimento e para a responsabilidade. Nisto, todos podemos entrar em campo!

Doenças

*Flávio Rodrigo Masson Carvalho

Segundo Barbara Ann Brennan: "Toda doença é uma mensagem direta dirigida a você, dizendo-lhe que não tem amado quem você é e nem se tratado com carinho, a fim de ser quem você é".

Todas as vezes que nosso corpo apresentar alguma "doença", isto deve ser tomado como um sinal de que alguma coisa não está bem. A doença não é uma causa, é uma conseqüência proveniente das energias negativas que circulam por nosso organismo espiritual e material.

O controle das energias é feito através dos pensamentos e dos sentimentos, portanto, possuímos energias que nos causam doenças porque somos indisciplinados mentalmente e emocionalmente.

Permanentemente, recebemos energia vital que vem do cosmo, da alimentação, da respiração e da irradiação das outras pessoas e para elas imprimimos a energia gerada por nós mesmos. Assim, somos responsáveis por emitir boas ou más energias às outras pessoas.

A energia que irradiamos aos outros estará impregnada com nossa carga energética, isto é, carregada das energias de nossos pensamentos e de nossos sentimentos, sendo necessário que vigiemos o que pensamos e sentimos.

As doenças físicas são distúrbios provocados por algum acidente, excesso de esforço ou exagero alimentar, entre outros, que fazem um ou mais órgãos não funcionarem como deveriam, criando uma indisposição orgânica. Já as doenças espirituais são aquelas provenientes de nossas vibrações. O acúmulo de energias nocivas gera a auto-intoxicação fluídica. Quando estas energias descem para o organismo físico, criam um campo energético propício para a instalação de doenças que afetam todos os órgãos vitais, como coração, fígado, pulmões, estômago etc., arrastando um corolário de sofrimentos, está ai a Psicossomática para nos esclarecer.

É possível, já ao nascer ou até mesmo na vida intra-uterina, trazer os efeitos das energias nocivas presentes em nossa alma, que se agravam à medida que acumulamos mais energia negativa na nossa vida, principalmente nos relacionamentos interpessoais. Enquanto persistirem as energias nocivas na alma, a cura não se completará.

A cada pensamento, emoção, sensação ou sentimento negativo, a alma imediatamente adquire uma forma mais densa e sua cor fica mais escura, por causa da absorção de energias nocivas, isso é facilmente detectado com a máquina Kirlian, que fotografa a aura da pessoa.

Partindo das estruturas energéticas da alma na direção do corpo em ondas sucessivas, essas radiações nocivas criam áreas específicas nas quais podem se instalar ou se desenvolver as vidas microscópicas encarregadas de produzir os fenômenos compatíveis com os quadros das necessidades morais para o indivíduo. Elas se alimentam destas energias nocivas que chegam ao físico, conseguindo se multiplicar mais rapidamente e, em conseqüência, causando as doenças.

Durante a purificação da alma, que pode ser através da yoga, meditação, exercício da religiosidade, terapias, e o mais importante, uma mudança drástica de vida, começando por mudar a maneira de pensar. As toxinas psíquicas que não forem totalmente curadas, vão para os tecidos, órgãos ou regiões do corpo, provocando disfunções orgânicas que conhecemos como doença, e assim são tratadas pela terapia medicamentosa, ou em certos casos, cirurgias.

Cuidado com o que anda pensando! Você poderá estar adoecendo, bem devagar e seriamente.

Mude a sua maneira de pensar! Pense positivamente, sorria mais, veja a vida com mais otimismo, valorize as coisas simples da vida, tenha hobbies, pratique esportes, desenvolva a sua religiosidade, faça terapia. Enfim, faça tudo o que estiver no seu alcance para ser mais feliz, para viver melhor, com mais qualidade de vida.

Namore bastante, dê muitos beijos na boca, aprenda a relaxar, somente perca tempo pensando em seus problemas se for para resolver, caso contrário, você somente os potencializa.

Pratique o desapego, inclua a caridade na sua vida, pois ajudar o próximo lhe fará muito bem.

Se assim você fizer, com certeza, estará evitando muitas doenças, e terá uma saúde melhor, tanto física como espiritual. *Prof. Dr. Flávio Rodrigo Masson Carvalho Psicanalista – Psicoterapeuta equilibriumtc@hotmail.com flaviopsicanalise@gmail.com

Renovado convênios do Vivaleite com 23 municípios da região de Jales


O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Rogerio Hamam, renovou nesta quarta-feira 29 de janeiro, os convênios do Projeto Vivaleite com 23 municípios da região de Jales. O evento foi no Centro de Convenções "Jornalista Nelson Camargo", em Votuporanga e contou com a presença dos prefeitos convidados e os deputados estaduais Itamar Borges (PMDB) e Carlão Pignatari (PSDB).

Hamam destacou a importância do leite na saúde e no desenvolvimento das crianças beneficiadas. Ele também destacou o esforço que está sendo feito para evitar desvios e desperdício do produto. "Estamos em fase de testes para a implantação do cartão magnético do Projeto Vivaleite. Cada beneficiado terá seu cartão individual, o que vai possibilitar o controle da retirada do leite por uma central inteligente. Faremos um amplo recadastramento das famílias para acabar com o desperdício e destinar o leite para quem realmente precisa", afirmou.

Os convênios foram renovados por mais dois anos. O Projeto Estadual Vivaleite beneficia 6.006 crianças da região.

"O Vivaleite tem uma importância muito grande, assim como outros programas da Secretaria de Desenvolvimento Social. Nós, na Assembleia Legislativa, vamos continuar lutando para um orçamento cada vez maior a fim de que mais municípios possam atender cada vez mais e melhor a população", completou o deputado estadual Itamar Borges.

Carlão Pignatari destacou a ação da Pasta: "Fico cada vez mais entusiasmado com o trabalho da Secretaria de Desenvolvimento Social e feliz com as atitudes proativas do secretário Hamam. Com sensibilidade, entusiasmo e atenção, age para que mais cidades e, consequentemente, mais pessoas possam ser assistidas. O Vivaleite é uma ação de extrema relevância à população. Estamos trabalhando junto com o Governo do Estado para aumentar o repasse do Fundo a Fundo para que as prefeituras possam ampliar o atendimento social em suas cidades", finalizou.

Pela tarde, às 14h, foi realizada a capacitação "As melhorias práticas para a distribuição do leite" com gestores e técnicos municipais do projeto. Foram tratados assuntos como: histórico do Projeto, regras de atendimento, obrigações dos municípios e dos beneficiados, distribuição, condições de armazenamento e qualidade do leite.

Projeto Vivaleite – O Vivaleite é um projeto social de distribuição gratuita de leite fluido, pasteurizado, com teor de gordura mínimo de 3%, enriquecido com ferro e Vitaminas A e D. Em janeiro de 2011, sua gestão foi transferida da Secretaria de Agricultura para a Secretaria de Desenvolvimento Social. O projeto tem o objetivo de oferecer um complemento alimentar seguro e de alto valor nutritivo às pessoas de baixa renda, além de gerar, de forma indireta, novos empregos no campo.

Município

Beneficiários

Jales 1.460

Urânia 786

Santa Fé do Sul 786

Ap. d`Oeste 394

Palmeira d`Oeste 280

Paranapuã 248

Santa Albertina 225

Populina 223

Três Fronteiras 202

São Francisco 190

Pontalinda 144

Rubineia 128

Marinópolis 107

Santa Clara d´Oeste 100

Dolcinópolis 100

Mesópolis 91

Nova Canaã Paulista 90

Santana da P. Pensa 90

Aspásia 80

Dirce Reis 80

Santa Salete 67

Vitória Brasil 55




O futuro da justiça

Renato Nalini

Todo ser humano tem uma noção do que é sofrer uma injustiça. O convívio não é fácil, mesmo em células naturais como a família. Numa era de esgarçamento de valores, não é raro que irmãos se desentendam por inúmeras razões. Uma delas é o patrimônio. Desde que o capitalismo foi erigido como a forma natural de distribuição dos bens da vida e o socialismo não se mostrou exitoso em suas várias experiências, o dinheiro se impôs como senhor absoluto.

Se há brigas familiares, o que não dizer de outras relações sociais? A pacificação não é a regra, mas a exceção. No mundo de hoje existe um individualismo exagerado e a sensibilidade aflora ante a mínima provocação. Fator de multiplicação de litígios, pois ninguém quer "sair perdendo" ou "ficar em situação de inferioridade".

O resultado de tudo isso é a multiplicação de processos judiciais. A ação em juízo é ainda considerada a maneira mais civilizada de compor conflitos. É a derradeira fase de uma lenta evolução que começou com a retorção imediata - a reação instantânea do ofendido contra o ofensor - e passou para a Lei de Talião. Esta já representou um avanço: trouxe a proporcionalidade, inexistente na etapa anterior. O "olho por olho, dente por dente" foi um progresso.

Entregar a um terceiro imparcial a atribuição de resolver a querela foi o estágio seguinte. Mas parece que teremos de pensar em outras opções. O Brasil tem hoje 93 milhões de processos em curso. Para 200 milhões de pessoas, o número é um exagero inadministrável. Parece que todos os indivíduos são litigantes. Será o Brasil um país símbolo da beligerância?

Explica-se o fenômeno do excesso de demandas por várias causas. Para os otimistas, ele é resultado de uma Constituição Cidadã que acreditou no Judiciário e explicitou que nenhuma lesão ou ameaça a direito venha a ser subtraída à apreciação de um juiz de direito. Atentas a essa escolha do constituinte, as pessoas acordaram e procuraram o foro, destravando o represamento de pretensões insatisfeitas. É a demanda reprimida que desaguou nessa multiplicidade de processos.

Sob concepção tal, o número elevado de ações a tramitar pelos juízos e tribunais brasileiros seria uma espécie de termômetro democrático altamente favorável à Democracia. A Justiça funciona. Os tribunais estão abertos à população.

Mas outra leitura também é possível. Menos ufanista. Mais realista. Os filósofos gregos já proclamavam: "nada em excesso". O excesso debilita e mata. A Justiça não dá conta desse elevado número de processos. Para vencê-los, a resposta é sempre a mesma: precisamos de mais orçamento, de mais juízes, de mais funcionários, de mais edifícios destinado aos Fóruns. A resposta a tais demandas não tem sido outra: o Estado Brasileiro tem carências permanentes e intensas. Ele precisa de Justiça, é óbvio. Mas não precisa menos de infraestrutura, saneamento básico, moradia, transporte, saúde, educação e segurança. Onde encontrar dinheiro para atender a todos esses direitos legítimos?

Diante de situação tal, incumbe a cada brasileiro formular a sua receita para enfrentar o problema. Haveria uma "terceira via", que não fosse a ampliação até o infinito ou o congelamento mantenedor da atual situação de déficit no funcionamento do Judiciário?

Essa terceira via está nas alternativas de resolução de conflito diversas do juízo convencional. O direito anglo-saxão é pródigo em fórmulas de harmonização que não precisam do Estado-juiz tradicional. Há muito tempo investem na conciliação, na negociação, na mediação, na transação, no "rent-a-judge" e em inúmeras outras modalidades subtraídas ao dispendioso, lento e complexo padrão judicial.

Essa linha precisa ser mais utilizada, após serena análise de todos aqueles que se compenetram de que o Judiciário não é problema exclusivo dos juízes. Nem dos demais profissionais da área jurídica. O Judiciário é um serviço estatal posto à disposição do povo. É a população a legitimada a discuti-lo, a oferecer propostas de aperfeiçoamento, a zelar pelo seu efetivo bom funcionamento, a exigir dele a eficiência prometida pelo constituinte.

Sem esse debate nacional, as soluções brotadas no natural hermetismo da cultura jurídica nem sempre atenderão ao desejo da sociedade. Esta mesma que sustenta o equipamento judicial, cujo crescimento é contínuo e permanecerá submetido à mesma lógica.

Brasileiros: pensem nisso e contribuam para um debate fundamental ao fortalecimento da Democracia.

No primeiro dia de aula, Prefeitura de Mesópolis entrega kits de material escolar e uniforme

 



 
A prefeitura de Mesópolis realizou na segunda-feira, 27 de janeiro, no primeiro dia letivo de aula, a entrega de kits escolares para todos alunos da rede municipal de ensino
A entrega foi iniciada às 7 horas na E. M. "Rosiméri Niza Menezes" e contou com a presença de todos os alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental e seus familiares.
A entrega foi feita pelo prefeito Municipal Leandro Polarini e a primeira-dama Marinangela, o vice-prefeito Aparecido Vieira e 2ª dama Patrícia, professores, direção, coordenadores, funcionários e representantes do Poder Legislativo
A entrega de materiais é um sonho realizado pelo prefeito Leandro Aparecido Polarini pelo segundo ano consecutivo, para que os alunos "possam ter melhores condições de aprendizado e para que não haja tantas diferenças dentro da escola", disse.
O kit escolar é composto por uma mochila, uma bolsinha de colocar lápis, duas camisetas de uniforme e todo o material necessário para a realização das atividades durante o ano letivo.
A cerimônia de entrega foi encerrada com um saboroso café da manhã a todos os presentes
 



Nice e Gilbertão viabilizam vinda de carreta do "Via Rápida Emprego" para curso em Jales

 
A prefeita Nice Mistilides Silva se reuniu com o presidente da Câmara Municipal de Jales, Gilberto Alexandre de Moraes, na terça-feira, 28 de janeiro, para discutirem a vinda da carreta do Via Rápida Emprego para Jales. Com o objetivo de capacitar profissionalmente trabalhadores da área de mecânica de automóveis, a unidade móvel deve ficar no município no mês de fevereiro deste ano.

O curso de manutenção automotiva que será ministrado na carreta tem a certificação do Centro Paula Souza em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e visa capacitar trabalhadores de oficinas mecânicas ou interessados em obter uma qualificação. O profissional pode realizar diagnóstico, manutenção e instalação de equipamentos, dispositivos e acessórios em veículos, além de avaliar e buscar melhorias quanto à emissão de gases poluentes e às condições gerais de funcionamento e segurança do veículo, podendo atuar em oficinas mecânicas, locadoras de veículos, retificadoras de motores e sistema de transmissão, transportadoras e frotistas, indústrias e distribuidoras de autopeças, concessionárias, centros automotivos e centros de Inspeção Veicular.

A prefeita Nice ressaltou a importância da qualificação profissional oferecida pela carreta do Via Rápida Emprego ao dizer que "esse curso é muito bem-vindo em nossa cidade, pois temos aqui várias oficinas mecânicas e pessoas interessadas nos serviços oferecidos". Nice também destacou a parceria com o presidente da Câmara Gilbertão, e afirmou "que vamos trabalhar juntos para beneficiar a população de nossa cidade".

No começo de 2013, Nice fez questão de buscar pessoalmente três cursos do Via Rápida para a cidade, na secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia.  Foram oferecidos ao longo do ano os cursos de Técnicas de Vendas, Rotinas Financeiras e Rotinas de Escritório.

A unidade móvel deve ser instalada em local de fácil acesso, ainda a ser definido, para beneficiar os interessados de todas as regiões da cidade que desejam a qualificação profissional. A Prefeitura disponibilizará toda a infraestrutura necessária para a realização do curso. A carreta é equipada com computadores, ar-condicionados, kit de direção hidráulica, bancadas de teste elétrico e muitos outros equipamentos. As inscrições devem ser abertas na próxima semana.

Carretas – Viajando por todo o Estado desde 2011, as unidades móveis do Programa Via Rápida Emprego já visitaram mais de 40 municípios paulistas. As carretas do Via Rápida, como são conhecidas, levam os cursos do Programa em um formato inovador que une a mobilidade das unidades com um espaço de ensino que integra os conhecimentos teóricos e práticos dos diversos cursos oferecidos. Tudo em ambientes que simulam diversas situações que serão encontradas pelos participantes em suas rotinas de trabalho.

FolhaGeral

Reflexão

"Com certeza, é melhor comer os inimigos que abandonar
aos corvos e às gralhas o fruto da vitória".

Voltaire

 
O vice-prefeito
Pedro Callado, apesar de estar sempre no Paço Municipal, andou ausente em compromissos com presença da prefeita. Nas fotos ao lado da alcaide, sempre aparecia sério, Em 2014 que começou outro dia, o vice Callado está mais sorridente pelo menos é o que mostra as fotos que chegam à redação.
Como
também está havendo uma aproximação maior do vereador Gilbertão, crítico ferrenho da administração municipal com a prefeita Nice. Já estão sentando à mesma mesa e discutindo assuntos de relevância para o município. Será que fumaram o cachimbo da paz?
 
Espetáculo
deprimente e grotesco o ocorrido na avenida Francisco Jalles esquina com a rua Dez na terça-feira, 28 de janeiro, proporcionado por um indivíduo não merecedor de crédito dada a sua vida pregressa, derrubando os tubos colocados para sinalizar a proibição da passagem de veículos.
Centenas
de pessoas se aglomeraram ali, formando quase um círculo para assistir e aplaudir o que fazia o indivíduo – funcionários de uma loja, na calçada, vibravam como se estivessem assistindo a uma apresentação circense (mais digna) – destruindo o patrimônio público, fugindo do local, quando a sirene da viatura policial se fez ouvir. Acabou detido alguns metros do local.
Os moradores
da rua São Paulo, bairro IV Centenário também vão ficar agradecidos à prefeita Nice se ela providenciar o recapeamento asfáltico da via, que foi esquecida – enquanto as demais ruas circunvizinhas recebiam a melhoria – nos oito anos de administração petista. Está um caco e o movimento de veículo é grande.
Falando
em trânsito, apesar de alguns mototaxistas terem feito o curso obrigatório, a lei em Jales parece que está adormecida em uma gaveta para que as empresas prestadoras de serviços de mototáxi sejam legalizadas. Quando a coisa começar a empepinar quem vai assumir a responsabilidade?
 
Disfarçadamente
a oposição esfrega as mãos com todo esse imbróglio causado no trânsito, mesmo sabendo que a administração municipal nada têm a ver com as mudanças realizadas, já que o Conselho Municipal de Trânsito aprovou pedidos da Polícia Militar. 
O Conselho

Municipal de Trânsito deverá se reunir na semana entrante com o objetivo de analisar as medidas tomadas em relação as mudanças feitas em algumas vias públicas da cidade. Os refrulhos são de que a pressão sobre os membros do Conselho é muito grande no sentido de que voltem atrás na autorização experimental das mudanças.
de se considerar que a população, em especial os motoristas, precisam quando houver mudanças no trânsito, se adequarem às regras, visto que é uma tentativa para melhorar o fluxo de veículos e eliminar os pontos perigosos. É preciso mais tempo e não essa gritaria exarcebada sem necessidade. Quem reclama sobre as mudanças no trânsito é um motorista em potencial: homem ou mulher. Reclamam das mudanças mas não admitem que estão constantemente quebrando as regras e cometendo deslizes que podem ocasionar acidentes, Os exemplos são muitos, e flagrados constantemente, não pela autoridade, mas pela própria população
 
Caso
os membros do Conselho optem por cassar a própria decisão, só vai lhes restar uma alternativa perante a maioria da opinião pública - que é favorável às mudanças – deixar o Conselho, pois não mais terão condições de julgar favorável ou não qualquer pedido enviado para análise. Vão ficar desacreditados perante os do sim e os do não.
A prefeita
Nice Mistilides já escolheu o novo Secretário Municipal de Administração. É o bancário aposentado Domingos Correia de Oliveira. Toma posse na segunda-feira, quando também será anunciado o seu Chefe de Gabinete. O pessoal do botequim da vila torce para que a prefeita não mude tanto a sua assessoria para que tenha um bom ritmo administrativo de nível em prol do povo.
Em sessão
extraordinária realizada na segunda-feira, 27 de janeiro, os vereadores aprovaram projeto de lei autorizando o Executivo a firmar convênio com o DER-SP para repasse de R$ 790 mil para asfaltamento da marginal Alcides Bernardes numa extensão de dois mil metros ligando a marginal Airton Senna ao distrito industrial III. Uma vitória dos empresários que não esmoreceram nessa reivindicação. Houve intermediários, quando o assunto já estava bem adiantado.

PALAVRAS DE CHICO XAVIER

As regiões espirituais são mais vastas do que as regiões físicas do Universo que conhecemos ¾ um Universo mais amplo dentro de outro!
"Nosso Lar", de André Luiz, é apenas um pedacinho...

Esta coluna tem o patrocínio e responsabilidade da  "Associação Espírita "Chico Xavier" de Jales.



Entulhos: o mal que pode se tornar o bem

Jorge Fronho e Marçal Rizzo

A discussão de sustentabilidade no setor de construção civil atualmente ganhou destaque. Falar de sustentabilidade e praticá-la é de extrema necessidade nesse setor, por causar grande impacto ambiental ao longo do processo produtivo, desde a ocupação de terras, extração de matérias-primas, produção e transporte de materiais, construção de edifícios e, por fim, a geração de resíduos sólidos.

Hoje, resíduos sólidos têm sido produzidos em larga escala em todo o mundo. Entre estes, o chamado entulho é um dos grandes problemas para os administradores públicos, sobretudo em países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil.

Ainda é fato que houve, nos últimos anos, um considerável avanço na qualidade da construção civil, obtido por meio de programas de redução de perdas e implantação de sistemas de gestão da qualidade. A preocupação primordial passou a ser, todavia, outra: a sustentabilidade, antes de tudo, para garantir o próprio futuro da humanidade.

A construção civil é a área que mais gera resíduos (cerca de 50% do total), e, reciclando esses entulhos, podem-se obter inúmeras vantagens, sejam elas econômicas, ambientais ou mesmo sociais. A economia de matéria-prima constitui-se no principal fator da economia, seguida da economia de energia elétrica. Do ponto de vista social, a tecnologia de reciclagem é apontada como uma das alternativas para a geração de emprego e renda. É inegável, portanto, o benefício trazido para a indústria e até para sucateiros e catadores em geral.

Prefeituras de algumas cidades, como Belo Horizonte (MG) e São José do Rio Preto (SP), já fazem uso desses recursos e têm gerado inúmeros retornos. Além de reduzir a quantidade de entulhos encaminhados para os aterros, terrenos baldios e margens de estradas, os materiais reciclados representam um custo menor.

O aproveitamento desses resíduos é uma das ações que devem ser incluídas no cotidiano das edificações, proporcionando economia de recursos naturais e minimização do impacto no meio ambiente. O potencial para reaproveitamento e reciclagem dos entulhos vindos da construção civil é enorme, além de que a incorporação desses resíduos em determinados produtos pode vir a ser extremamente benéfica, já que proporciona economia de matéria-prima e energia. A reciclagem da sucata de aço permite a produção de um novo aço consumindo aproximadamente 70% da energia gastos para produção a partir de matérias-primas naturais. Já a utilização da sucata de vidro reduz em cerca de 5% o consumo de energia. Os resíduos não reciclados têm por destino os aterros sanitários, situação que ocupa cada vez mais espaço e por consequência agregação de valor, sobretudo os de localização próxima a grandes centros. A concentração de resíduos, muito deles nocivos, significa riscos de acidentes ambientais, mesmo se tomadas todas as medidas técnicas de segurança.

Hoje, ainda é baixo o número de cidades que contêm usinas de reciclagem. Seu uso ainda não se tornou comum, em decorrência do preconceito de construtores que relacionam o baixo custo a uma provável baixa qualidade, o que não é verdade. Além disso, a instabilidade do mercado imobiliário desmotiva a construção de usinas nesse segmento, e, nos períodos chuvosos, assiste-se à baixa demanda no setor de construção civil. Assim, a geração de entulhos não é homogênea em todo o ano, o que pode trazer poucos lucros à usina de reciclagem.

O fato é que, com a iminente industrialização, reflexo das novas tecnologias, com o crescimento populacional, o aumento significativo de pessoas em centros urbanos e a diversificação do consumo de bens e serviços, os resíduos se transformaram em grave problema urbano, com um gerenciamento oneroso e complexo considerando-se volume e massa acumulados.

É necessário reafirmar que o entulho, se reciclado, é produtivo e não ocupa espaço; antes, auxilia na produção de materiais de menor custo, concorre para o aumento do valor das habitações, um dos mais caros e inacessíveis bens que produzimos, da infraestrutura, de rodovias, estradas de ferro, barragens, entre outras.

Por isso, a reciclagem desses resíduos vem-se consolidando como uma prática importante para a sustentabilidade, seja atenuando o impacto ambiental gerado pelo setor ou reduzindo custos.

Jorge Luiz Fronho de Sousa: Acadêmico do Curso de Administração da UFMS – Câmpus de Três Lagoas (MS). E-mail: jorgefronho@yahoo.com.br

Marçal Rogério Rizzo: Economista e Professor do Curso de Administração da UFMS – Câmpus de Três Lagoas. E-mail: marcalprofessor@yahoo.com.br

Desigualdade social

Reginaldo Villazón

A desigualdade social existe há milênios. Antes de discuti-la hoje, é preciso observar sua ocorrência histórica. Na Grécia Antiga, a classe dos cidadãos detinha os direitos de participação política e posse da terra. A classe dos estrangeiros sobrevivia do artesanato e do comércio. A classe dos escravos servia submissa aos cidadãos. Na Roma Antiga, a desigualdade social também acontecia numa estrutura social rígida. Havia os patrícios, os plebeus e os escravos, constituindo as principais classes sociais com direitos e posses muito desiguais.

Na Grécia Antiga e na Roma Antiga, a desigualdade social tinha origem na política instituída pela elite. Em outros casos, havia justificativa divina. Na Índia, as castas sociais eram (e ainda são) mantidas por hereditariedade com direitos e deveres próprios, estabelecidas numa hierarquia social de motivação religiosa. Na Europa medieval, as monarquias eram governadas pelos nobres. Os plebeus eram os súditos trabalhadores. A mobilidade social era nula. Só era nobre quem nascia nobre, por ordem de Deus.

Este pequeno relato serve para mostrar que, historicamente, a desigualdade social não se explica com justificativas inquestionáveis. Em princípio, ela não tem amparo em razões filosóficas ou científicas. Nascer em ambientes sociais diferentes – mais ou menos favorecidos – não pode ser motivo para predestinar pessoas a ocupar posições superiores ou inferiores numa escada social. Sem dúvida, a igualdade social extrema pregada pelo comunismo é impossível, mas a desigualdade deve ser limitada e há muitas razões para se fazer isso.

Num exercício ligeiro, pode-se perguntar: o que um empresário rico tem a ver com a pobreza de um trabalhador? Aparentemente, nada. Mas, o que o rico tem de mais é o que o pobre tem de menos. Pois nenhum indivíduo é tão produtivo que fique rico em decorrência apenas do seu trabalho. Sem dúvida, na economia, houve transferência de renda do pobre para o rico. Um exemplo: banqueiros (patrões) e bancários (empregados) trabalham juntos no mesmo banco e produzem bons resultados. Os banqueiros ficam ricos, os bancários não.

A questão é de repartição injusta da renda produzida. O mais forte ganha mais. Na cadeia produtiva do leite, por exemplo, trabalham: os produtores de leite, os laticínios, a fornecedora da embalagem e os supermercados. O valor pago pelos consumidores, pelas caixas de leite, é distribuído com maior ganho para a indústria multinacional fornecedora da embalagem. A desigualdade social começa nessa repartição injusta da renda. Ela reúne outras desigualdades, como de acesso à educação, à saúde, às oportunidades, à democracia.

A desigualdade social no Brasil é alarmante. A elite consumidora de produtos de luxo atrai empresas internacionais de roupas e acessórios, carros, barcos e aviões de altos preços. Em contrapartida à concentração da renda, há desnutrição, hospitais sucateados, escolas miseráveis, professores mal pagos, desemprego, violência. É certo que, comparar a pobreza brasileira atual com a de 50 anos atrás, a situação melhorou muito. Porém, os ricos ficaram mais ricos e a desigualdade ainda gera desigualdade.

Os governantes das democracias desenvolvidas procuram evitar o assunto. Mas também nos países ricos a desigualdade social resiste, afeta a democracia e causa instabilidade social. Os chefes de governo e os dirigentes das corporações privadas não conseguem enfrentar a desigualdade social dentro da lógica da economia capitalista. Não será com um golpe de caneta ou um acordo (que reduza as grandes fortunas) que resolverão o problema. Mas, como as nuvens que mudam, a economia capitalista vai ter que mudar.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Nova Andradina (MS) ganha novo Hospital do Câncer de Barretos com emenda de R$ 12 milhões

 
Já está em construção em Mato Grosso do Sul mais uma filial do Hospital do Câncer de Barretos, referência no tratamento de todos os tipos de câncer. Após liberação de R$ 12 milhões por meio de uma emenda do senador Delcídio do Amaral (PT), a cidade de Nova Andradina foi a escolhida para receber este centro de tratamento.

"Tenho priorizado as questões da saúde e acompanho muito o Hospital do Câncer em Barretos [SP] e sei o quanto ele ajuda. Por isso sugeri uma nova filial no Estado e foi feito um estudo onde seria o melhor lugar, daí a indicação de Nova Andradina", ressaltou o senador.

Ano passado a capital Campo Grande ganhou a primeira filial do Hospital do Câncer de Barretos, após doação do pecuarista Antônio Moraes, que faleceu pouco depois da inauguração.

"Agora, com esta nova unidade no Estado vai facilitar o diagnóstico precoce e as operações de menor complexidade, que já ajuda e muito. Os doentes de câncer sofrem muito tendo que se deslocar em viagens longas, então essa unidade cria melhores condições para as pessoas e as famílias", explicou Delcídio.

Para os casos de maior complexidade, os pacientes seriam encaminhados para Campo Grande ou para o Hospital de Dourados, que recentemente recebeu outra emenda do senador de R$ 17 milhões para novos investimentos.

A inauguração do Hospital do Câncer de Barretos está prevista para até o fim deste ano e a emenda destinada também prevê a compra dos equipamentos. "Pretendemos entregar tudo funcionando já em setembro se der. O sistema construtivo é sensacional, será uma ótima estrutura, tudo com recursos do Governo Federal e a parceria com o Hospital do Câncer de Barretos", afirmou o senador.

Além disso, Delcídio ainda prometeu todo ano reservar emenda de R$ 1,4 milhão para custear as despesas do novo hospital em Nova Andradina. O local em que a obra está sendo construída é de 4,41182 hectares, às margens da MS-134.


Morre o professor Cláudio Coelho, da Pediatria da FMB/Unesp



É com imenso pesar que a Diretoria da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) comunica o falecimento do professor Cláudio Antônio Rabello Coelho, do Departamento de Pediatria (aposentado desde 2011). Seu corpo será velado no Complexo Funerário Orlando Panhozzi e o sepultamento acontecerá neste sábado, 1º de fevereiro, às 14 horas. Professor Cláudio era casado com Kunie Iabuki Rabello Coelho, também professora da FMB (Departamento de Patologia). Deixou duas filhas e uma neta. Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (1965),professor Cláudio veio para Botucatu ainda na primeira metade da década de1960, quando, inclusive, ministrou aulas para a primeira turma do curso de Medicina da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu(FCMBB). Era responsável pela disciplina de Semiologia Pediátrica.Professor Cláudio cursou doutorado em Pediatria na Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) (1974). Sua área de atuação era Hepatologia Pediátrica, principalmente nos seguintes temas: colestase, hepatites, nutrição, colestase obstrutiva e colestase obstrutiva - cirrose biliar, e muito contribui para o desenvolvimento da Faculdade de Medicina e Hospital das Clínicas da FMB.
Foto: Seção de Fotografias da AG/Unesp
 
 

 Inscrições para concurso do Mapa começam na segunda, 3 de fevereiro 

Começam às 14 horas do dia 3 de fevereiro, segunda-feira, as inscrições para o concurso público do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que oferece 796 vagas para níveis fundamental, médio, técnico e superior. As inscrições devem ser feitas exclusivamente no site da Consulplan, no período de 3 de fevereiro a 6 de março de 2014. O valor da taxa de inscrição é de R$ 38,50 para nível fundamental, R$ 50 para nível médio e técnico e R$ 71 para nível superior.

São oferecidas vagas para Engenheiro Agrônomo (80), Farmacêutico (13), Químico (22), Veterinário (110), Zootecnista (07), Agente de Atividades Agropecuárias (50), Agente de Inspeção Sanitária e Industrial de Produtos de Origem Animal (100), Auxiliar de Laboratório (70), Técnico de Laboratório (184), Administrador (25), Agente Administrativo (110), Bibliotecário (02), Contador (06), Economista (04), Engenheiro (Civil ou Elétrico, 03 vagas), Geógrafo (03), Psicólogo (02) e Técnico de Contabilidade (05). As 46 vagas do total são para pessoas com deficiência. Os salários variam de R$ 2.818,02 a R$ 12.539,38 e a carga horária é de 40 horas.

Os candidatos realizarão provas objetivas e discursivas, previstas para o dia 4 de maio, em locais e horários divulgados a partir de 28 de fevereiro. Para os cargos de nível superior destinados às unidades do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), será realizada ainda avaliação de títulos.

O edital e outras informações sobre o concurso estão disponíveis na Central de Atendimento da Consulplan (www.consulplan.net

), no e-mail atendimento@consulplan.com ou pelo telefone 0800 283 4628.

Baiana é a nova estrela do Bella da Semana





Ô, Bahia! Terra de gente calorosa, simpática e acolhedora. Quando se trata da nova modelo do Bella da Semana, pode-se também incluir os adjetivos linda, gostosa e sensual.

 

Carol Muniz chega com tudo para comemorar o 13º aniversário do Bella da Semana. Sim, o site catarinense completa 13 anos no ar este mês e a morena chega para festejar no melhor estilo baiano.

 

Além de ser a musa oficial do E.C.Bahia, no ano passado concorreu ao título de Musa do Brasileirão e trabalhou na campanha do camarote Skol do carnaval deste ano. 'Também estive com a Rede Globo no FIFA Final Draw, em Sauípe, em dezembro.'



 Estudante de Jornalismo, Carol almeja cursar teatro e continuar a carreira de modelo, mesmo com todas as dificuldades. 'Como todo início de carreira, não está sendo fácil. Fica ainda mais complicado por eu não estar no eixo Rio-São Paulo', diz Carol, que mora em Salvador e tem 28 anos.


 


O ensaio será publicado no Bella da Semana nesta terça-feira, dia 4 de fevereiro.
(Janaína º Comunicação e Tradução  email: janaina@belladasemana.com.br
www.belladasemana.com.br)