Páginas

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

MODELO RELATA DIFICULDADE COM ENSAIOS POR MEDO DA VIOLÊNCIA NO RIO DE JANEIRO POIS FOTÓGRAFOS TEMEM SER ROUBADOS

Modelo relata dificuldade com ensaios por medo da violência no Rio de Janeiro pois fotógrafos temem ser roubados Créditos - Foto: Davi Borges / MF Press Global
 
"Que o Rio é uma cidade linda e maravilhosa todos sabem. Suas belezas naturais, praias encantadoras e com um excelente clima tropical sempre me deixaram apaixonada pela cidade. Não à toa deixei o Sul para morar aqui. Agora o que está entristecendo a todos é essa falta de segurança cada vez maior. Está ocorrendo a inversão de valores e não temos livre arbítrio de ir e vir por medo do que poderá ocorrer conosco na rua", lamenta a loira.

"Os ensaios fotográficos com as fotos externas na minha opinião são os mais lindos pois mostram a beleza da natureza e da cidade do Rio, mas nessa situação em que se encontra o Estado fica muito difícil fazer algum trabalho fotográfico pelo medo de ser assaltada. E o pior, o fotógrafo pode perder todo seu equipamento que não custa nada barato. A situação está tão crítica que chegou ao ponto da intervenção do Estado. Estou louca para voltar a fazer meus ensaios com pelo menos um pouco de tranquilidade", afirma Ana Paula Segetto.

 

O STF e o Código Florestal: Essa lei vai completar seis anos de aplicação positiva e sem as catástrofes anunciadas



*Evaristo de Miranda, 
O Estado de S.Paulo
16 Fevereiro 2018 | 03h15

Começou bem o julgamento das contestações ao Código Florestal no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro relator, Luiz Fux, apresentou um voto técnico e equilibrado sobre uma ação declaratória de constitucionalidade e quatro ações diretas de inconstitucionalidade. Se o seu voto, em grande parte, for seguido por seus pares, a agropecuária terá a segurança jurídica tão necessária para produzir com sustentabilidade e competitividade.
Em tempos de enfrentamentos entre Judiciário e Legislativo, o ministro Fux destacou a qualidade excepcional do processo legislativo que resultou no novo Código Florestal (tempo de tramitação, audiências públicas realizadas, votação expressiva dos parlamentares, etc.). E enfatizou a necessidade de "deferência ao Legislativo" pelo trabalho e seus resultados. Aplausos ao labor dos deputados Aldo Rebelo e Paulo Piau, nem sempre reconhecido.
Diante da temática extremamente técnica, Fux questionou se o próprio STF tinha "capacidade institucional" para analisá-la. Ele ouviu os interessados, recebeu colaborações dos amici curiae, trabalhou arduamente com sua assessoria e realizou ampla audiência pública no STF. Nela representei a Embrapa e apresentei os impactos socioeconômicos negativos de se declararem inconstitucionais artigos do código. E entreguei um documento técnico ao ministro Fux e ao falecido ministro Teori Zavascki, criticando o uso de "princípios" para anular o trabalho legislativo.
Parte da insegurança jurídica do País provém do uso, por atores sociais, de uma principiologia situada acima das leis. Evocou-se o princípio da precaução para impedir pesquisas científicas. E o princípio de vedação ao retrocesso em matéria ambiental para impedir a evolução de normas. Basta a mudança não estar de acordo com interesses e ideologias de certas organizações e esse princípio é invocado, como algo acima até da norma constitucional. Foi assim no ajuste de limites de unidades de conservação: transforma-se a legislação ambiental em cláusula pétrea.
O voto de Fux foi claro: "As políticas públicas ambientais devem conciliar-se com outros valores democraticamente eleitos pelos legisladores, como, verbi gratia, o mercado de trabalho, o desenvolvimento social, o atendimento às necessidades básicas de consumo do cidadão. Desta forma, não é adequado desqualificar determinada regra legal como contrária ao comando constitucional de defesa do meio ambiente ou mesmo sob o genérico e subjetivo rótulo de 'retrocesso ambiental', ignorando as diversas nuances que permeiam o processo decisório do legislador, democraticamente investido da função de apaziguar interesses conflitantes por meio de regras gerais e objetivas. Deveras, não se deve desprezar que a mesma Constituição que protege o meio ambiente também exorta o Estado brasileiro a garantir a livre-iniciativa, o desenvolvimento nacional, a erradicação da pobreza e da marginalização, reduzir as desigualdades sociais regionais, proteger a propriedade, buscar o pleno emprego e defender o consumidor. O desenho institucional das políticas públicas ambientais suscita, assim, o duelo valorativo entre a tutela ambiental e a tutela do desenvolvimento, tendo como centro de gravidade o bem comum que é a pessoa humana, no cenário de escassez".
Mais ainda: "O Princípio da Vedação ao Retrocesso não se sobrepõe ao Princípio Democrático, no afã de transferir ao Judiciário funções inerentes aos Poderes Legislativo e Executivo e nem justifica afastar arranjos legais mais eficientes para o desenvolvimento sustentável do país como um todo".
Dos cerca de 21 dispositivos contestados, Fux declarou a constitucionalidade de 19: tratamento diferenciado para pequena propriedade rural (artigo 3.º), novas regras na definição de área de preservação permanente (artigo 4.º) e de uso restrito (artigo 11), hipóteses de redução da reserva legal (artigos 12 e 13), regularização de áreas rurais consolidadas (artigo 61-A), cumprimento da reserva legal por compensação ou doação (artigo 66) e regime diferenciado para reserva legal em áreas já ocupadas (artigos 67 e 68).
Aos opositores ao cômputo da área de proteção permanente no cálculo da reserva legal (artigo 15) disse o ministro: "Não é difícil imaginar que a incidência cumulativa de ambos os institutos em uma mesma propriedade pode aniquilar substancialmente sua utilização produtiva". E está coberto de razão. A Embrapa Territorial demonstrou: os produtores dedicam à preservação 48% de suas terras. Qual agricultura no mundo preserva tanto o meio ambiente? São 177 milhões de hectares dedicados à preservação pelos agricultores, 21% do País, enquanto unidades de conservação protegem 13%.
Já a declaração de inconstitucionalidade dos artigos 7, 17 (recomposição de vegetação) e 59 (Programas de Regularização Ambiental) ficou confusa. Nos dois primeiros, o voto considerou inconstitucional a data de 22/7/ 2008, por ser "arbitrária". Ora, essa é a data do Decreto 6.314, sobre condutas infracionais ao meio ambiente e respectivas sanções. A mesma data foi considerada constitucional por Fux em outros dispositivos.
No artigo 59, as petições solicitaram a inconstitucionalidade dos parágrafos 4.º e 5.º (dispensa de multas). A justificativa só menciona a dispensa de multas, mas o voto considera inconstitucional todo o artigo. Se o Programa de Regularização Ambiental não é constitucional, milhões de agricultores, em sua maioria pequenos, que recuperam áreas e prestam serviços ambientais, estarão na ilegalidade. Ganhos ambientais nos Estados ficam comprometidos. Será um caos institucional para o qual a Presidência da República já deveria prever medida provisória sanadora.
Em dois meses o Código Florestal completa seis anos de aplicação positiva e sem as catástrofes anunciadas por alguns. O retorno do julgamento no STF está marcado para 21 deste mês. É tempo de eliminar as dúvidas e acabar bem esse capítulo.
*Pesquisador da Embrapa Territorial
http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-stf-e-o-codigo-florestal,70002191263

Ministério da Saúde formará 250 mil agentes em técnico em enfermagem

     Instituições de ensino públicas e privadas que ofertam o curso já podem participar do edital de credenciamento
O Ministério da Saúde publicou hoje (19) o edital para que instituições de ensino públicas e privadas de todo país, que ofertam o curso de técnico em enfermagem, possam se credenciar ao Programa de Formação Técnica para Agentes de Saúde (PROFAGS), do Ministério da Saúde. Com a medida será possível qualificar cerca de 250 mil agentes comunitários de saúde e de combate às endemias em todo o Brasil. A ação faz parte da nova Política Nacional da Atenção Básica (PNAB), que amplia a atribuição desses profissionais, proporcionando maior resolutividade aos atendimentos realizados à população.
O edital está disponibilizado, na íntegra, no endereço eletrônico www.saude.gov.br, e também poderá ser lido e/ou obtido no endereço Ministério da Saúde, Esplanada dos Ministérios - Bloco G, Edifício Anexo, ala “A”, sala 339, nos dias úteis, no horário das 8:00 às 12:00 e de 14:00 às 18:00, ou pelo e-mail profags@saude.gov.br.
“O curso permitirá uma ampliação do acesso à Atenção Básica, levando um atendimento de qualidade e com alta resolutividade à população brasileira, evitando custos desnecessários e assistência mais complexa. Estamos contando com as instituições para que qualifiquem, com o que possuem de melhor, esses agentes de saúde.” destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.
Para participar do programa, as instituições precisam se credenciar e indicar a quantidade de vagas possíveis de serem atendidas, por município de abrangência e por semestre. Após isso, as entidades encaminharão para avaliação do Ministério da Saúde documentos que comprovem habilitação jurídica, regularidade fiscal e trabalhista, além de qualificação técnica e econômico-financeira. As propostas serão analisadas, dentro do prazo de 10 dias a partir do recebimento dos documentos e, levando em consideração todos os parâmetros descritos no edital. Caso a documentação da empresa seja aprovada, o credenciamento será homologado e publicado no Diário Oficial da União.
O edital de credenciamento e o Termo de Execução Descentralizada (TED), convênio ou contrato com as instituições tem vigência de 20 meses, podendo ser prorrogado por igual período até o limite de 60 meses. Ao todo, serão investidos pelo Ministério da Saúde R$ 1,25 bilhão na formação desses agentes, que terão o curso totalmente gratuito, livres de taxas, mensalidades ou quaisquer contribuições relativas à prestação do serviço. O pagamento para as instituições públicas e privadas, serão realizados em três parcelas. A primeira 20% do valor após o primeiro mês do curso; a segunda 40% após 12 meses e o restante, após a conclusão do curso.
A expectativa é de que a partir de março, os agentes comunitários de saúde e de combate às endemias já possam dar início ao curso, que terá o prazo de dois anos (1.800 horas/aula) para concluir a formação. Após esta qualificação, os profissionais poderão fortalecer as ações de promoção da saúde e de prevenção de doenças, passando a fazer curativos em domicílio, medir a pressão e a glicemia, entre outras atribuições que levarão atendimento primário à casa do paciente. Eles, também, poderão ajudar no combate ao Aedes aegypti, transmissor dos vírus da zika, dengue e chikungunya. Atualmente, segundo estimativa do Ministério, até 30% dos agentes que atuam no SUS já possuem a formação em Técnico em Enfermagem.
MAIS RECURSOS - A Atenção Básica, principal porta de entrada para o Sistema Único de Saúde (SUS). Em janeiro, o Ministério da Saúde liberou R$ 547,3 milhões para ampliação dos serviços à população em todo o Brasil. Desse total, R$ 311,3 milhões foram incorporados no Piso de Atenção Básica Fixo (PAB Fixo) com base na atualização da população dos municípios, segundo cálculos do IBGE. A última atualização aconteceu em 2013 e desde então o valor anual repassado para custeio das ações e serviços de Atenção Básica no País era de R$ 4,8 bilhões. Com este novo incremento, o recurso passará a ser de R$ 5,1 bilhões.
O restante do valor, na ordem de R$ 236,01 milhões, diz respeito ao credenciamento/habilitação de novos serviços, o que beneficiará diretamente a população de 886 municípios, que poderão contar com 1.967 novos Agentes Comunitários de Saúde, 616 novas Equipes de Saúde da Família, 746 novas Equipes de Saúde Bucal, 312 novos Núcleos de Apoio à Saúde da Família, 33 Unidades Odontológicas Móveis (UOMs), 07 novas Equipes de Consultórios nas Ruas, 30 novas Equipes de Saúde Prisional e 446 novas Equipes de Academia da Saúde.
Prioridade da atual gestão, a Atenção Básica, onde 80% dos problemas de saúde podem ser resolvidos, tem recebido recursos crescentes para melhorar a saúde da população que depende da rede pública. Em 600 dias, foram investidos mais de R$ 1 bilhão para custear e reforçar os serviços e equipes. O valor garante ampliação nos atendimentos e contempla mais de 20 milhões de pessoas que vivem em 2.390 municípios brasileiros.
O número de consultas realizadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) é um resultado concreto dos constantes investimentos do Governo Federal, registrando um crescimento de 230,6% em apenas um ano, passando de 196,3 milhões em 2016 para 649 milhões ano passado. Atualmente, 70% da população brasileira recebe cobertura da Atenção Básica, com 41.668 UBS funcionando e atuação de 264.188 Agentes Comunitários de Saúde e 41.991 Equipes de Saúde da Família.
      

Mais desmatado que a Amazônia, Cerrado sofre com perda de espécies exclusivas

 O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, onde abriga centenas de espécies de animais e plantas que só existem lá. Mas, de acordo informações do Ministério do Meio Ambiente, aproximadamente 20% da flora exclusiva já desapareceram, e cerca de 130 espécies de animais da região também correm o risco de sumir de vez. “Mais do que a Amazônia ou a Mata Atlântica, o Cerrado sofre perdas significativas de biodiversidade devido, principalmente, ao avanço da agropecuária”, diz o Biólogo Giuseppe Puorto, membro do CRBio-01 – Conselho Regional de Biologia – 1ª Região (SP, MT e MS).
            Dados de 2012 registram que foram derrubados 6,4 mil quilômetros quadrados de mata na Amazônia, contra 7,4 mil quilômetros quadrados de mata no Cerrado. E estima-se que as lavouras e as pastagens já tomaram aproximadamente 45% da área de domínio do Cerrado (que se estende do Mato Grosso do Sul a Rondônia e Tocantins, além de Goiás a Minas Gerais e parte da Bahia). “O Cerrado já ocupou 25% do território nacional, mas este número já caiu para 22%. E se nada for feito para frear essa destruição, muito do espaço e consequentemente da riqueza natural vão se perder também”, alerta o Biólogo.
            No ano passado, na data em que se comemora o Dia do Cerrado (11 de setembro, um manifesto assinado por 40 organizações ambientalistas do mundo todo, intitulado “Nas mãos do mercado, o futuro do Cerrado: é preciso interromper o desmatamento”, alertava para a necessidade da atividade agropecuária ser realizada de forma responsável e sustentável, como expandir a produção apenas em terras já desmatadas. Além de cobrar também o governo brasileiro a garantia de que a lei de preservação ambiental e compromissos internacionais assumidos sejam cumpridos, por meio de instrumentos e políticas públicas eficazes.   

APAE inaugura Sala Multimídia e revitalização da piscina

Obras só foram possíveis por graças a investimento público e privado
 
 
A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Três Lagoas – APAE inaugura nesta terça-feira, 20, a sala multimídia “Professora Heliane Emiki Nishiazaka Eto” e revitalização da piscina. A solenidade acontecerá a partir das 08h na sede da instituição.
A obra só foi possível graças ao investimento da Fibria, por meio do Plano Básico Ambiental e Socioeconômico – PBA. “Amanhã será um dia de muita alegria para nós e nossos alunos, essa é mais uma conquista graças à ajuda da comunidade e de empresas que acreditam no trabalho sério que é realizado aqui na APAE”, finalizou o Luiz Fausto Rodrigues.
A sala possui capacidade para acomodar 80 pessoas e foi equipada com projetores, telão, computador e entre outros equipamentos. “Iremos utilizar muito para o aprendizado de nossos 330 alunos, eles irão desfrutar muito deste espaço”, concluiu Fausto.
Além da sala, também será entregue a revitalização e aquecimento solar da piscina, outra obra que só foi realizada com a emenda parlamentar do Deputado Estadual, Eduardo Rocha. Algumas salas do Núcleo Rural também foram climatizadas com o dinheiro da verba. “Estamos conseguindo conscientizar todos da necessidade da nossa instituição, só temos que agradecer ao deputado por essa doação”, disse o presidente.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Sesi Franca Basquete derrota Minas Tênis Clube em Belo Horizonte

 

Atuando em Belo Horizonte, neste domingo (18), o Sesi Franca Basquete garantiu uma vitória maiúscula diante do Minas Tênis Clube, por 84 a 65.
O triunfo fez com que o time da Capital do Basquete chegasse ao 16º resultado positivo em 21 jogos disputados até o momento na temporada 2017/2018 do Novo Basquete Brasil e continuasse na quarta colocação do torneio.
Responsável por 19 pontos e seis ressaltos, Léo Meindl sobrou em quadra e garantiu o posto de cestinha e reboteiro do Sesi Franca. Cipolini, com 17 pontos, três rebotes e dois passes, também brilhou e terminou a partida como o jogador mais eficiente do jogo.
Pedro (11 pontos, três ressaltos e quatro passes), Jefferson (10 tentos, dois rebotes e duas assistências) e Henrique Coelho (nove pontos, duas sobras e seis passes decisivos) foram outros nomes importantes para o triunfo do elenco visitante.
“Hoje corrigimos os erros da última partida e conseguimos o resultado positivo, mesmo jogando fora de casa. A nossa defesa foi mais sólida e, assim, o ataque fluiu naturalmente”, analisou Coelho.
A equipe do interior paulista volta a aturar pelo NBB apenas no dia 01 de março. O duelo será contra o Pinheiros, às 20h10, no Ginásio Pedrocão.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Valor da produção agropecuária de 2018 é de R$ 516,6 bilhões

Mato Grosso supera São Paulo e passa a apresentar valor maior impactando também a região Centro-Oeste como um todo 
 
 
Brasília (16/02/2018) - A primeira estimativa do valor bruto da produção agropecuária (VBP) para 2018 é de R$ 516,6 bilhões, abaixo 4,9% do valor de 2017 (R$ 543,3 bilhões). As lavouras apresentam redução real de 6,2% e a pecuária, de 2,3%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (16) pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De acordo com o coordenador-geral de Estudos e Análises da SPA, José Garcia Gasques, parte dessa diferença entre as estimativas deve-se ao fato de o ano passado ter sido excepcional, tendo obtido o maior valor desde o início da série dessas informações. Nos levantamentos realizados pela Conab, sempre foram destacadas na produção da safra anterior as condições climáticas muito favoráveis. Outro aspecto, é o fato do mês de janeiro ser ainda quase um início da safra do ano, portanto, com informações ainda incompletas.

Os produtos com melhor desempenho são algodão, com aumento real de 15% no valor, batata  inglesa (11,1%), cacau (44,5%), café (5,8%), tomate ( 36,1%) e trigo (49%).  Na pecuária, destaca-se carne bovina com desempenho positivo, depois de registrar durante o ano passado preços em baixa.

O grupo de produtos com redução do valor da produção inclui o amendoim (-7,1%), arroz (-16,4%), banana (-13,1%), cana-de-açúcar (-13,2%), feijão (-22,4%), laranja (-29,4), milho (-13%) e uva (-24,8%). Entre esse grupo, cana, laranja e milho tiveram em 2017 resultados excepcionais, que não estão se repetindo. Como são produtos que têm participação expressiva no VBP, explica Gasques, a redução do valor afeta os resultados deste ano.

Na pecuária, os resultados de suínos, frango, leite e ovos também são inferiores aos de 2017. Para esses, os preços mais baixos no período têm contribuído para um VBP mais baixo.

Entre os diversos produtos analisados, soja, cana-de-açúcar, milho, algodão e café respondem por 52% do VBP de 2018, devendo gerar R$ 267,7 bilhões.

Os estados de Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul representam 58% do valor da produção, observando que neste ano, Mato Grosso apresenta um VBP maior do que o de São Paulo. Observando os resultados por região do país, a liderança passa a ser ocupada pelo Centro Oeste, seguida pelo Sul, Sudeste, Nordeste e Norte.

FOLHAGERAL

da redação

Foi repassado
ao Tesouro Municipal de Jales, neste mês de fevereiro, o valor de R$ 3.635.710,08. Refere-se ao Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Esse valor, pago por proprietários de veículos que usam vias urbanas e rodovias, bem administrado, dá para o governo municipal executar vários serviços de manutenção e limpeza na cidade, inclusive recape asfáltico onde existe mais necessidade de reparos.

Infelizmente,
do ponto de vista dos contribuintes do IPVA, não existe dotação específica para enquadrar os valores arrecadados do IPVA. O gestor público pode gastar com as finalidades que desejar. Pode, inclusive, pagar contas pendentes. O problema se resume ao que dizem os entendidos em finanças: "ganhar dinheiro é fácil; difícil é gastar bem". Quem pensa o contrário, não sabe ganhar e não sabe gastar.

Demorou
para o prefeito Flá Prandi (DEM) nomear um profissional para a Secretaria Municipal de Comunicação. Com a nomeação de Douglas Zílio, a imprensa – com toda certeza – deixará de estar na orfandade em termos de informação do que acontece no âmbito da administração municipal. Em consequência, o público ficará mais bem informado.

Segunda-feira
(dia 19 de fevereiro), os parlamentares jalesenses vão tratar – em primeira e única discussão e votação – o projeto de lei do vereador João Valeriano Zanetoni (PSB), instituindo o "Dia de Pentecostes" no Município de Jales. A data deverá ser celebrada anualmente, no domingo mais próximo aos 50dias subsequentes ao dia da Páscoa. Poderá fazer parte do calendário turístico, como a Romaria e a Peregrinação ao Padroeiro Santo Expedito.

Afinal de contas,
aguarda-se com muita expectativa a aprovação de Jales como Município de Interesse Turístico (MIT), na esfera dos poderes oficiais do Estado. O setor turístico precisa mesmo ser alavancado ao ponto de a cidade não ser rebaixada no futuro. A chamada indústria do turismo é limpa, não poluente, rende dinheiro e desenvolvimento.

E não sabe-se
o porquê cargas d‘´agua, o projeto de lei 1148/2017 da Alesp que classifica 20 municípios, entre eles Jales, como MIT ainda não entrou em votação neste ano. Está na pauta. O deputado Barros Munhoz, pediu para a sua apreciação, o projeto no dia 07/02 e nesta sexta-feira ainda, não havia retornado para votação.

Entra na pauta
dos trabalhos da próxima segunda-feira (dia 19), no legislativo jalesense, projeto de lei que altera a Lei Complementar de 2011 que criou Gratificação de Função para servidores da Câmara que exercem função em Comissão Permanente de Licitações e Pregoeiro.

O valor de
80% do vencimento fixado do Padrão "A" Referência "00" (equivalente ao salário mínimo) agora corresponderá a 110% do vencimento fixado,

Um projeto
de lei, em tramitação na Assembleia Legislativa do Estado São Paulo, propõe reservar 20% das vagas dos concursos públicos estaduais para as pessoas que se declararem negras. De acordo com pesquisa divulgada em 2017, pelo IBGE, o Brasil tem 11,8 milhões de pessoas analfabetas na faixa etária a partir de 15 anos. Os 10% deste total é de pretos e pardos.

Para o deputado
Luiz Turco (PT), autor da medida, é preciso dar igualdade na disputa por uma vaga no serviço público. Ele diz: "Já existe uma lei que reserva essa quantia de vagas para as universidades do Estado, mas para os serviços públicos não existe nenhuma regra protocolada. Essa cota para os serviços públicos também tem a ver com uma política afirmativa".

A proposta do
deputado petista tramita pelas comissões da ALESP, antes de ser submetida à votação em Plenário. A reserva de 20% das vagas para candidatos negros já é válida em concursos públicos da União, desde 2014. A legislação federal não estende as cotas ao Legislativo, Judiciário nem a órgãos públicos estaduais ou municipais.

A qualidade
do eleitorado brasileiro é consequência da situação educacional do Brasil. O país tem quase 150 milhões de eleitores. Desse total, 30 milhões concluíram o ensino médio (isto é pouco). Por coincidência, 10 milhões se formaram em faculdade (isto é pouco) e 10 milhões são analfabetos (isto é muito).

Além disso,
boa parte desses cidadãos brasileiros, com dever de votar, está abandonada às traças nas grandes cidades e nas grandes regiões do interior do país. O que é péssimo para a nação (eleitores mal preparados para votar), é um manjar para os políticos aproveitadores. Com milhões de Reais disponíveis para propaganda enganosa, eles ganham eleições.

Este é um motivo
por que não podemos esperar milagres nas eleições deste ano de 2018. É verdade que o Brasil está mergulhado num caos. É também verdade que o Brasil vai sair do caos e se tornar muito desenvolvido. Mas ainda é cedo para esperarmos muito.

Sem perdermos

a esperança – de jeito nenhum! – devemos focar nossa atenção diretamente na política, na economia, na educação, na saúde, no bem-estar da comunidade em que vivemos. Não é preciso ir longe atrás de bons exemplos. Aqui mesmo em Jales, temos ótimos exemplos de indivíduos isolados e grupos sociais que se esforçam visando o bem comum. Nem precisamos citar nomes. Eles se movem pela consciência.

Vanguart é o convidado do Cultura Livre desta terça-feira

 
Na terça-feira, 20 de fevereiro, o Cultura Livre recebe o grupo Vanguart, que apresenta o trabalho de estúdio Beijo Estranho. Com apresentação de Roberta Martinelli, a atração vai ao ar às 23h30, na TV Cultura, no YouTube e no aplicativo Cultura Digital.

No programa, a banda fala sobre o processo de idealização e gravação do disco e como isso trouxe de volta a vontade de compor em grupo. Além disso, os integrantes contam as maiores estranhezas que já passaram na vida em uma entrevista descontraída conduzida por Roberta.

Criada em 2002 na cidade de Cuiabá pelo vocalista e violonista Hélio Flanders, a Vanguart também é formada por Reginaldo Lincoln (voz e baixo), David Dafré (guitarrista e bandolim), Fernanda Kostchak (violino), Julio Nganga (teclado) e Loco Sosa (bateria). A banda lança Beijo Estranho quatro anos após Muito Mais Que o Amor, penúltimo álbum do conjunto.

Esta edição do Cultura Livre também conta com a participação especial do cineasta Charly Braun, que mostra sua coleção de discos no quadro Cinco Sons. Além disso, entra em pauta no quadro Expresso o disco Língua Franca, que une os rappers brasileiros Emicida e Rael com os portugueses Valete e Capicua.

Show de Zezé Di Camargo e Luciano será grande atração do aniversário de Olímpia

A Estância Turística de Olímpia completará, no dia 02 de março, 115 anos de fundação e, para comemorar a data, a Prefeitura, por meio da secretaria de Turismo, anunciou, nesta semana, uma atração muito especial para presentear a população: um show da dupla Zezé Di Camargo e Luciano.

A apresentação será realizada no sábado, dia 03, na Praça de Atividades Folclóricas e Turísticas "Professor José Sant’anna", o popularmente conhecido Recinto do Folclore, com portões abertos a partir das 21 horas.

A entrada será um quilo de alimento não perecível, que deve ser trocado antecipadamente. Serão aceitos óleo, arroz, feijão e café. A troca será realizada no Fundo Social de Solidariedade (Rua Caetano Gotardi, 323) e na secretaria de Turismo (Av. Brasil, 155) com data a ser divulgada em breve. Toda a arrecadação será destinada às entidades assistenciais do município.

Além do show da dupla, a Prefeitura está preparando uma programação especial com diversas atividades ao longo da semana em que se comemora o aniversário da cidade, que também será disponibilizada nas próximas semanas.

O espírito do tempo

Gaudêncio Torquato, jornalista, professor titular da USP é consultor
político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato



O melhor caminho para descobrir onde estamos e para onde vamos é dedicar um tempinho a analisar o espírito do tempo: situações que levam as pessoas a avaliar sua condição, movimentos que enchem as ruas, frustrações geradas por expectativas que não ocorrem, circunstâncias que determinam a maneira de agir das pessoas, enfim, o motor que gira a roda da vida.

Zeitgeist é a palavra alemã que define esse conceito, onde se abriga todo o conhecimento humano acumulado ao longo dos tempos e que, de repente, se faz presente em determinado momento da história. Ou, em outras palavras, o espírito do tempo é o estado social, intelectual e cultural de uma época.

Edgar Morin, o grande pensador francês, nos ajuda a interpretar o espírito do tempo em Cultura de Massas no Século XX: o Espírito do Tempo e em outros ensaios. Abrir uns minutinhos nesses dias de carnaval para refletir sobre o espírito do tempo pode ser eficaz exercício para compreendermos a realidade que nos cerca. A percepção nos levaria, quem sabe, ao encontro da esperança que, na acepção de Morin, "é a ideia que o futuro, sendo incerto e desconhecido, pode justamente ser melhor".

Cabeças à reflexão. Comecemos com a questão: o Brasil tem jeito? Somos um território de dimensão continental, recheado de riquezas e recursos minerais, paisagens exuberantes, terras férteis que nos elegem como "celeiro do mundo", a maior reserva de água doce do planeta (12%), só para citar superlativos que alimentam o civismo nacional. Enfrentamos, é verdade, catástrofes naturais, na esteira de janeiros chuvosos, mas não sofremos a destruição de terremotos, tempestades e tufões, esses que devastam países, entre os quais o da maior democracia do mundo, os EUA.

Nesse ponto, emergem contrapontos: abrigamos um dos maiores índices de corrupção do mundo, temos uma das maiores cargas tributárias do universo, a miséria assola 50 milhões de brasileiros, e no Nordeste esse índice se eleva a 43,5% da população. Donde se conclui: somos um país rico que não descobriu a rota do progresso. Puxemos, agora, a onda da corrupção, alvo de escândalos. Pode ser diminuída? Sim. A conta é irrefutável: se cortássemos o Produto Nacional Bruto da Corrupção em 10%, nosso Produto Nacional Bruto (das riquezas) daria extraordinário salto, jogando o Brasil na esfera das grandes nações.

Há esperança de que isso possa ocorrer? Certamente. Basta pinçar a missão do nosso Judiciário. Que resgatou seu papel de protagonista central na paisagem institucional. Há críticas sobre seu desempenho? Procedem. Destacam-se as que mostram os membros das Cortes Judiciais liderando os vãos dos privilégios. Há, ainda, a observação sobre a judicialização da política, a intervenção dos juízes no ambiente político, o que ocorre com a absorção de tarefas da competência do Legislativo e do Executivo pelo Judiciário.

Se os quadros desses dois Poderes estivessem sob os aplausos sociais, não haveria tanta interferência. A crise de credibilidade que afeta a representação política e governamental desequilibra a Tríade do Poder, obra do barão de Montesquieu. Infelizmente, o espírito do nosso tempo tem deixado a política em maus lençóis. Essa é a fresta que abre horizontes sombrios. Mas o futuro do país não será melhor sob a exclusão da política.
 

 

Acompanhante escreve poema para agradecer atendimento oferecido pelo Hospital de Amor

O Hospital de Amor é referência no tratamento oncológico no país e recebe pacientes de todos os estados brasileiros, oferecendo um serviço 100% gratuito. Conta com médicos qualificados e estruturas que se comparam aos melhores hospitais do mundo. Com o grande envolvimento de pessoas, o que não faltam são histórias de superação, causos inusitados e, claro, relatos de gratidão aos profissionais que trabalham na instituição.



Nesta quarta-feira, 14 de fevereiro, a acompanhante Ana Lúcia Fernandes de Oliveira, de 37 anos, da cidade de Jatai (GO), procurou o oncologista e diretor clínico da unidade de Jales, Dr. André Silveira, por quem relata ter muito carinho, para lhe entregar o poema que escreveu como forma de agradecimento pelo acolhimento recebido.

foto - A acompanhante Ana Lúcia e a paciente Isabel de Oliveira (blusa vermelha)
 
Ana conta que conheceu o hospital há mais de um mês e diz que ficou encantada com o tratamento que ela e a paciente Isabel de Oliveira Souza, de 54 anos, a quem está acompanhando, receberam quando chegaram. "Fiquei impressionada com a simplicidade, a humildade e todo carinho que as pessoas têm com a gente aqui. O Dr. André e outros colaboradores trataram a mim e a Isabel tão bem que isso me inspirou a escrever o poema. Fiz questão de entregar nas mãos dele.", afirmou emocionada.


De acordo com o médico, esta não foi a primeira vez que ele recebeu um gesto de carinho vindo de pacientes. Mas, esta iniciativa em especial lhe chamou a atenção pela simplicidade e riqueza da atitude que a mulher teve. "É emocionante e gratificante para mim, enquanto profissional. Sinal de que estamos no caminho certo", afirmou Dr. André.

Para a gerente administrativa do hospital, Camila Venturini, esse tipo de retribuição é resultado da humanização no atendimento aos pacientes e seus familiares, o que faz com que eles se sintam confortáveis e agradecidos. "A gratidão e o reconhecimento dos pacientes é um termômetro para avaliar o tratamento realizado", finalizou Camila.

Ana, além de acompanhante da dona Isabel, também é "acompanhante solidária", ficando ao lado e auxiliando os pacientes que não tem quem os acompanhe. "Se posso ajudar, eu ajudo. Além de me fazer muito bem, também estou fazendo o bem para o próximo. É a lição que fica.", finalizou.
 
 
"HOSPITAL DO AMOR" JALES

Quando cheguei aqui, não foi difícil entender
o significado do nome desse lugar, que está
sempre pronto a todos pacientes, com amor receber.

Em cada setor, cada olhar, cada um
dos colaboradores demonstra nos seus
olhos e gesto uma linda forma de amar.

Fiquei tão emocionada e senti no coração
que aqui todos são recebidos com muito
amor e total dedicação.

Cada paciente é chamado pelo nome e por
mais problemas que estejam passando aqui
nesse hospital, de acordo com a vontade
de Deus, tudo vai se ajeitando.

É tão bom saber que existe um hospital
assim no Brasil, onde tudo está se deteriorando,
e aqui no hospital do amor o atendimento é nota mil.

Parabéns a toda equipe que trabalha com essas
pessoas doentes e com o psicológico abalado,
trazendo assim um pouco de esperança aos
pacientes com os seus corações despedaçados.
Ana – Jataí (GO)


Ousadia Bandeirante

José Renato Nalini - secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove



Historicamente, nunca faltou coragem ao bandeirante. Pois em pleno século XXI, a grei paulista não deixa de mostrar ousadia. Sabe que a 4ª Revolução Industrial provocou profunda mutação na vida e no convívio. Não desconhece que a receita de uma administração pública pautada em valores arcaicos já não convence. Portanto, recorre à experiência de quem arrostou dificuldades praticamente intransponíveis, para alavancar novos experimentos.

Foi assim que o Governo Paulista instituiu o Programa Pitch Gov-SP, em 2017. Convocou empresas nascentes com a finalidade de permitir a realização de testes com soluções inovadoras para enfrentar desafios postos à gestão estatal. 254 empresas se apresentaram ao chamamento público e 16 delas foram selecionadas para apresentar suas soluções.

A Educação, o mais urgente e relevante dos temas enfrentados por todas as Nações, lançou um repto: "Como potencializar as atividades de reforço e recuperação nas escolas, através do uso de tecnologia? ". A Secretaria de Educação de São Paulo, uma das maiores organizações do planeta, adquiriu consciência de que a circuitaria neuronal das novas gerações é digital. Daí o interesse em acelerar o processo de aprendizado, oferecendo aos estudantes opções mais atraentes, calcadas no interesse crescente pelas TICs, as tecnologias de informação e comunicação, hoje presentes em todos os ambientes.

Dentre as 71 empresas que sugeriram soluções, duas delas foram consideradas aptas a desenvolver suas propostas: Matific e MGov. A primeira desenvolveu um repositório de jogos interativos, planilhas e conjuntos de problemas, com o intuito de apoiar o ensino e aprendizagem de Matemática dos anos iniciais. Jogos com características pedagógicas únicas: um episódio típico apresenta um ambiente visual e "mãos na massa" e desafia o aluno a responder perguntas ou a executar tarefas dentro do ambiente simulado. Tudo consoante o material pedagógico e o currículo oficial do Estado de São Paulo.

A MGov oferece plataforma que permite envio de mensagens para os pais, com sugestões de atividades e ações que intensificam o engajamento da família com a Educação da prole. Facilita a comunicação com os responsáveis, aproxima os pais da escola e atende ao comando constitucional do artigo 205 do Pacto Federativo, que erigiu a Educação em direito de todos, mas em dever do Estado e da Família, em colaboração com a sociedade.

Mas não é só. A "Estante Mágica" é uma plataforma virtual que transforma o material produzido em aula em livros digitais e físicos. Dispõe de programas pedagógicos a serem utilizados por docentes e alunos, também chamados a produzir tais livros.

O "Mira Educação" é um aplicativo para dispositivos móveis – Android e IOS, desenvolvido para escolas públicas com o objetivo de acompanhar métricas ou indicativos relevantes para a gestão escolar. Com isso aperfeiçoa-se o acompanhamento de frequência de alunos, conteúdo, habilidades e metodologias desenvolvidas em sala de aula. Foca ainda o comportamento social do alunado, facilita a gestão da sala de aula e possibilita o uso offline ou pela rede, sem consumo do pacote de dados do professor. É plenamente integrável com os sistemas já existentes da gestão escolar para ser interface de uso direto e mais facilitado.

Abre-se uma perspectiva de entrosamento entre os jovens que descobriram a realidade virtual e nela enxergaram oportunidade de investimento em atividades ainda hoje não oferecidas pelo sistema educacional, cuja estrutura não propicia antecipação de tendências, mas atua de forma reativa e mais lenta. O chamamento da iniciativa privada, com a juventude talentosa, pioneira e empreendedora que se dedica à criação intensa de startups, é a esperança de que a escola paulista, na rota já conhecida de desbravar caminhos, muito produzirá para oferecer ao Brasil um futuro compatível com a dimensão dos nossos sonhos.

Câncer: mais de 300 mil crianças e adolescentes são diagnosticados todos os anos

Paula Laboissière - Agência Brasil

No Dia Internacional de Luta Contra o Câncer na Infância, lembrado hoje (15), a Childhood Cancer International (CCI), alerta para a necessidade de ações globais conjuntas para enfrentar o que chama de desafio crescente imposto pela doença. Dados da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer indicam que cerca de 215 mil casos são diagnosticados todos os anos em menores de 15 anos, além de 85 mil casos entre adolescentes de 15 a 19 anos.

"Apesar de o número de crianças com câncer ser bem menor quando comparado à incidência global da doença em adultos, o número de vidas salvas é significativamente maior: as taxas de sobrevivência em países de alta renda chegam a uma média de 84% e estão melhorando de forma consistente mesmo em áreas com menos recursos no mundo onde há apoio local e internacional", destacou a CCI, por meio de nota.

A campanha alerta ainda para a disparidade no acesso ao tratamento do câncer infantil em países de baixa e média renda, onde vivem 80% das crianças e adolescentes com câncer. De acordo com o comunicado, crianças e adolescentes na África, na Ásia, na América Latina e em partes do Leste e Sul europeu não têm acesso apropriado nem mesmo a medicamentos essenciais e cuidados especializados.

"Atualmente, o local onde a criança reside muitas vezes determina sua habilidade de sobreviver ao câncer infantil", concluiu a entidade, composta por 188 organizações membro de um total de 96 países.

Palavras de Allan Kardec

 
Allan Kardec - O que devemos pensar das chamadas guerras santas? O sentimento que leva os povos fanáticos a exterminar o mais possível os que não partilham de suas crenças, com o fim de agradar a Deus, não teria a mesma origem dos que antigamente provocaram os sacrifícios humanos?

Os Espíritos - Esses povos são impulsionados pelos maus Espíritos. Fazendo a guerra aos seus semelhantes, vão contra Deus, que manda o homem amar o próximo como a si mesmo. Todas as religiões, ou antes, todos os povos adoram um mesmo Deus, quer sob este ou aquele nome. Como promover uma guerra de extermínio, porque a religião de um é diferente ou não atingiu ainda o progresso religioso dos povos esclarecidos? Os povos são escusáveis por não crerem na palavra daquele que estava animado pelo Espírito de Deus e fora enviado por Ele, sobretudo quando não o viram e não testemunharam os seus atos; e como quereis que eles creiam nessa palavra de paz, quando os procurais de espada em punho? Eles devem esclarecer-se, e devemos procurar fazê-los conhecer a sua doutrina pela persuasão e a doçura, e não pela força e o sangue. A maioria de vós não acredita nas nossas comunicações com certos mortais; por que quereis então que os estranhos acreditem nas vossas palavras, quando os vossos atos desmentem a doutrina que pregais?

O Livro dos Espíritos: Pergunta 671
 

(Esta coluna tem o patrocínio e responsabilidade do Grupo Espírita "Chico Xavier", de Jales).

Urânia realizou 2º Mutirão da Oftalmologia no carnaval

Nesta terça-feira, 13 de fevereiro, feriado de Carnaval, foi encerrado o 2º Mutirão da Oftalmologia, no Centro de Saúde (Postão), em Urânia.
 
Realizado pela Prefeitura Municipal, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, o Mutirão da Oftalmologia foi criado para atender a grande demanda reprimida de exames oftalmológicos no município.


É a segunda vez que a Prefeitura Municipal de Urânia realiza o mutirão nesta especialidade. O primeiro foi em 2017, também nos dias de Carnaval.

Edvaldo Rodrigues Neves foi o primeiro da fila a receber diagnóstico. Ele que possui dificuldades de enxergar de perto, há um ano aguardava pela consulta na rede pública de saúde. 

Rosimeire Serra Garcia, outra paciente atendida no mutirão, também esperava por atendimento desde fevereiro de 2017.

Ambos avaliaram positivamente o Mutirão da Oftalmologia. "Muito bom, principalmente para quem não tem condições de pagar por uma consulta", avaliou Rosimeire.

Em 2017, cerca de 250 pessoas receberam atendimentos oftalmológicos durante o primeiro mutirão. Neste ano, mais 250 pessoas tiveram atendimento especializado durante os dias de Carnaval.

O prefeito Marcio Arjol, satisfeito com o resultado de mais um mutirão voltado à saúde da população, também fez a sua avaliação: "Nos dias de Carnaval conseguimos retirar da fila de espera por uma consulta muitas pessoas, que foram atendidas pelos melhores médicos especialistas da região. Agradeço toda nossa equipe de saúde que trabalhou durante os dias de Carnaval para oferecer mais saúde à população".

Tendências da roça

Nadine Gualberto Agra, Mestre em Economia Rural e Regional na Universidade Federal da Paraíba e Robério Ferreira dos Santos, Doutor em Economia, professor da Universidade Federal da Paraíba e pesquisador da EMBRAPA.

 
Até a década de 1950, o aumento da produção agrícola no Brasil se dava através da expansão da área cultivada. A partir da década de 1960, foram introduzidas novas tecnologias – máquinas e implementos agrícolas, corretivos e adubos químicos, pesticidas e herbicidas – que ganharam importância na prosperidade da agricultura. Essa modernização – conhecida por Revolução Verde – intensificou-se a partir da década de 1970.

Além da mudança tecnológica, surgiram os complexos industriais e comerciais especializados na produção e na venda dos produtos destinados à agricultura. De outro lado, surgiram os complexos agroindustriais com a finalidade de processar a produção gerada pela agricultura. Assim, vê-se que a Revolução Verde foi um processo de desenvolvimento capitalista que atrelou a agricultura aos interesses dos complexos industriais e comerciais.

A modernização deu forte impulso à transformação dos latifúndios, privilegiando os grandes proprietários rurais – maiores compradores de insumos e maiores produtores de monoculturas –, favorecendo mais ainda os complexos industriais e comerciais.

Pode-se afirmar que a Revolução Verde foi um processo de desenvolvimento parcial e excludente, pois não trouxe benefícios gerais. Não impactou positivamente – em termos tecnológicos, econômicos e sociais – as propriedades rurais menores, as dedicadas à policultura alimentar, as menos capitalizadas, as localizadas em regiões mais difíceis.

Em antigas e novas regiões agrícolas, as tecnologias introduzidas provocaram devastação ambiental, redução da biodiversidade, degradação do solo, contaminação de recursos hídricos. Milhões de pequenos produtores e trabalhadores rurais foram expulsos do campo para as cidades, formando o movimento migratório chamado Êxodo Rural.

A partir da década de 1990, instalou-se a padronização da agricultura brasileira – com mais intensidade nos segmentos de grãos e carnes –, seguindo os modelos produtivos internacionais. Milho, soja, trigo, frangos e suínos – por exemplos – hoje são produzidos em todo o mundo dentro do mesmo padrão. Isto impõe aos consumidores a falta de escolhas, a possibilidade de comprarem apenas o que é produzido nos padrões estabelecidos.

Chega-se ao reconhecimento de que este modelo de modernização da agricultura não atendeu às necessidades da grande massa de proprietários, trabalhadores, técnicos rurais e consumidores. Uma questão se levantada: há uma saída? É possível obter um desenvolvimento sustentável, geral e harmônico com as necessidades e aspirações humanas?

A resposta é sim. Hoje surgem, em todo o mundo, novos personagens ligados à produção e ao consumo, chamados "produtores verdes" e "consumidores saúde". Eles rejeitam as tecnologias, os produtos e as lógicas oriundas da Revolução Verde. Eles optam pela sustentabilidade, por técnicas ecológicas, por produtos saudáveis, por comércio justo. Eles visam melhores condições de vida – saneamento básico, água potável, energia limpa, saúde, ensino, lazer – a toda a população do planeta.

As novas vertentes – agricultura familiar, agricultura local, agricultura orgânica, agroecologia, agrofloresta, permacultura e outras –não são só alternativas. São propostas categóricas e viáveis em favor do desenvolvimento amplo e durável.

Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas

 
Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) divulgou, nesta 5ª feira (15), a terceira reestimativa da safra de laranja 2017/18. O relatório aponta uma produção de 397,27 milhões de caixas, de 40,8 kg cada. Esse valor corresponde a um aumento de 3,13% em relação à estimativa publicada em dezembro de 2017 e de 9,00% quando comparada à estimativa inicial de maio de 2017. Da safra total, cerca de 30,42 milhões de caixas deverão ser produzidas no Triângulo Mineiro.

Segundo o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES), Vinícius Trombin, o desempenho positivo desta safra, constatado pelos incrementos de produção anunciados a cada reestimativa, continua sendo devido ao aumento de peso dos frutos, atualmente em 165 gramas, em média por unidade, contra 162 gramas na reestimativa de dezembro. "Esse fato é explicado pelas chuvas acima da média histórica, que proporcionaram um maior acúmulo de água nos frutos, o qual, foi potencializado pela melhora dos tratos culturais dos pomares", diz.

Trombin também destaca a redução da taxa de queda de frutos como um fator que contribuiu para o aumento desta produção. "A queda está cerca de um ponto percentual menor em relação ao valor projetado inicialmente", completa o coordenador.

As chuvas abundantes em todas as regiões produtoras do cinturão citrícola ocorreram no período de outubro a janeiro. O efeito dessas chuvas foi observado, principalmente, na Pera Rio e com mais intensidade nas variedades tardias em função da época de colheita.

A colheita das variedades precoces foi encerrada em janeiro com tamanho e taxa de queda iguais aos revisados em setembro e mantidos na reestimativa de dezembro. Cerca de metade da produção dessas variedades precoces foi realizada até meados de julho, quando os solos ainda estavam úmidos em função das chuvas acima da média histórica que ocorreram no início da safra.

A colheita da Pera Rio, variedade de meia estação, está praticamente encerrada, restando apenas 1% para finalizar a safra. A colheita da Valência e Valência Folha Murcha atingiu 95% da produção, o tamanho é alterado para 227 frutos por caixa e a taxa de queda para 21,50%. No caso da Natal, a colheita está em 90% da produção, o tamanho é revisado para 238 frutos por caixa e a taxa de queda passa a 20,00%. Considerando todas as variedades, já foi colhido 97% do total da safra, o tamanho médio é reestimado para 247 frutos por caixa e a taxa de queda é reestimada em 17,20%.

O método utilizado para a reestimativa é o mesmo adotado na safra anterior. As informações foram obtidas por meio do monitoramento de peso e queda de frutos em 900 talhões, a partir de maio, que deixam de ser visitados à medida que ocorre a colheita completa do mesmo, além do tamanho dos frutos processados. O trabalho é realizado pelo Fundecitrus em cooperação com a Markestrat, FEA-RP/USP e FCA/Unesp. O relatório completo está disponível em: http://bit.ly/2EL0dDS

Estoques de suco de laranja somaram mais de 700 mil toneladas em 31 de dezembro de 2017

A Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), informa que os estoques de suco de laranja disponíveis em 31 dezembro de 2017 totalizaram 702.981 toneladas de suco de laranja concentrado congelado equivalente 66 Brix (FCOJ Equivalente). O número, levantado por meio de auditorias individuais e independentes, e posteriormente compilado por nova auditoria independente, representa um aumento de 41,3% em relação às 497.383 toneladas existentes na mesma data do ano anterior.

O levantamento aponta ainda que o volume projetado para 30 de junho de 2018 deve ficar em 254.200 toneladas. Esse número permanece dentro do intervalo projetado e divulgado anteriormente pela CitrusBR. Apesar de esse volume representar uma alta de 137% na projeção em relação às 107.387 toneladas armazenadas em poder das indústrias em 30 de junho do ano anterior, se confirmado, o estoque será ainda um dos menores da série histórica e o suficiente para abastecer o mercado por 12 semanas. "Todos os olhos agora estão voltados para a próxima safra que, ao que tudo indica, não será grande", diz o diretor-executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto.

Para efeito de comparação, uma vez confirmadas as 254.200 toneladas em junho de 2018, esse volume representaria apenas 31,2% do que foi o estoque em 30 de junho de 2013, quando o volume de suco chegou a 765.924 toneladas, o suficiente para abastecer o mercado por 35 semanas. Segundo Netto, o estoque projetado tem um aumento significativo percentualmente, mas esse aumento se dá sobre uma base muito pequena, já que o estoque passado, que foi de 107.387, foi o mais baixo já registrado.

Rendimento industrial - Os dados compilados também mostram que o rendimento industrial na safra 2017/2018 é estimado em 282,49 caixas para a produção de 1 (uma) tonelada de FCOJ Equivalente 66 graus Brix. Esse dado confirma a piora do rendimento industrial dos últimos anos, já que nas últimas 5 safras o rendimento médio foi de 279,22 caixas. Já os dados sobre processamento de laranja pela indústria na safra 2017/2018 serão compilados e divulgados em maio.

Em Urânia, inscrições para os programas Turismo Rural, Olericultura Orgânica e Viticultura estão abertas até 4ª feira


A Prefeitura Municipal de Urânia, juntamente com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jales e FAESP/SENAR, estão proporcionando mais capacitação para os trabalhadores rurais de Urânia. Trata-se dos programas de Turismo Rural, de Olericultura Orgânica (horta) e de Viticultura.

Os programas são totalmente gratuitos e os participantes receberão material didático nos encontros e certificado emitido pela FAESP/SENAR - válido em todo território nacional.

As inscrições dos programas de Turismo Rural e o de Olericultura Orgânica devem ser feitas até o dia 21 de fevereiro, quarta-feira, no Departamento Municipal de Agricultura, situado no Parque Industrial, nº 1.100. Já o curso de viticultura, os interessados têm até o dia 3 de maio para fazer as suas inscrições.

De acordo com o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Urânia, Anderson Chapichi (foto), o programa de Turismo Rural possui uma carga horária de 240 horas, divididas em três aulas mensais e abordará diferentes temas ligados ao turismo.

Conforme explicou o secretário, o programa de Olericultura Orgânica possui duração de 128 horas, distribuídas em 8 meses. A intenção é capacitar produtores que visam mudar seu sistema de produção, preservando a saúde e a segurança, praticando, assim, uma agricultura menos agressiva ao meio ambiente e obtendo um produto saudável.

Já o curso de viticultura conta com uma duração de 152 horas e tem como foco capacitar profissionalmente pequenos produtores e trabalhadores rurais na produção de uvas visando à obtenção de produtos saudáveis, competitivos no mercado e menor agressão ao meio ambiente, dando ênfase à formação de agentes multiplicadores naturais.

Os interessados devem procurar o Departamento Municipal de Agricultura, no Parque Industrial, nº 1.100, ou entrar em contato através do telefone: 17 99791 5343.

Brasil já vive sua narcopolítica

Luiz Flávio Gomes, jurista. Criador do movimento Quero Um Brasil Ético.
Estou no F/luizflaviogomesoficial



Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática com um tipo de sociedade condenada ao fracasso eterno (em termos de crescimento econômico e desenvolvimento humano), se não fizermos uma revolução em favor da educação de qualidade para todos e se não for reprimida com firmeza a corrupção generalizada dos que exercem criminosamente o poder.

Os donos corruptos do poder (de esquerda, de centro e de direita), com seus aparatos de proteção (judicial, midiática, intelectual e social), só pensam nos seus interesses, posto que apagaram das suas mentes a palavra ética. Não lutam por valores, e sim, por preços. Praticam a política do vale tudo para a conquista e preservação do sistema apodrecido (os fins justificam os meios, diria Maquiavel).

Os políticos, em geral, tornaram-se dependentes do dinheiro para suas campanhas eleitorais. Alguns foram mais longe: criaram vínculos estreitos com o narcotráfico para se financiarem. Da soma do tráfico de drogas com a política nasceu a palavra narcopolítica, de onde deriva a narcodemocracia.

Marcinho VP (prócer do Comando Vermelho), em recente entrevista publicada pela UOL, confirmou que "o narcotráfico financia campanhas eleitorais". O ministro Gilmar Mendes vem denunciando isso faz tempo. O ministro da Justiça (Torquato Jardim) também colocou a boca no trombone (embora de forma generalizada). Até ministro de Estado estaria envolvido com a narcopolítica.

Da conexão entre os narcoempresários (que comandam a narcoeconomia) e os políticos está nascendo uma confraria criminosa (a narcopolítica) que representa sério risco para a própria estrutura do Estado, com a corrosão das bases da democracia e o descrédito absoluto das instituições, que estão se evaporando.

O sistema de segurança pública, por exemplo, disse o ministro da Defesa Jungmann, está "falido". Ele acrescentou: "Quem controla o território controla o voto e conquista o poder de ocupar espaços na administração pública".

Ao lado ou mesmo dentro do Estado oficial já é nítida a presença dos grupos narcomafiosos, sendo emblemático o exemplo do Rio de Janeiro onde 850 favelas são dominadas pelo tráfico (D. Kramer), que vai conquistando espaços políticos e sociais, dominando não apenas as narcoeconomias locais, senão também as próprias comunidades, por meio do processo de clientelização (narcoclientelismo), que constitui uma nova base do processo eleitoral.

Diante da erosão do Estado e da ineficácia das suas instituições, o velho clientelismo assistencialista em várias partes do território nacional vem se transformando em assistencialismo narcopolítico.

O mundo científico está estudando o nível de alterofagia (destruição do outro) gerado pela criminalidade organizada, que está dizimando as indefesas e pouco escolarizadas sociedades, com destaque para o México e o Triângulo Norte (da morte), constituído por Guatemala, El Salvador e Honduras.

É nítida a desintegração institucional do Estado, invadido tanto pelas organizações criminosas corruptas (protagonizadas pelos donos do poder) quanto pela narcopolítica. Calcula-se que 80% dos homicídios no Rio de Janeiro são praticados por traficantes e milicianos (O Globo), que se uniram e também financiam várias campanhas eleitorais.

Há "cerca de 1 milhão de pessoas no Rio de Janeiro vivendo em um estado de exceção, sob o controle de bandidos, milicianos ou traficantes. Quem tem esse controle sobre o território, tem o controle político, é capaz de direcionar votos, de eleger seus representantes, fazer seus aliados, que se encontram na Câmara Municipal, na Assembleia Legislativa e mesmo no Congresso Nacional" (M. Pereira, O Globo).

Somente a reunião de várias forças-tarefa (Polícia, Ministério Público, auditores fiscais, Forças Armadas etc.), com específico serviço de inteligência, pode retomar o Estado capturado pelo crime organizado da corrupção e do tráfico. Não precisamos de novas leis, e sim, da certeza do castigo.
 


Show com a dupla Bruno e Marrone em prol do Hospital de Amor Jales tem as mesas esgotadas

 
Sucesso de vendas e adesão do público de Jales e região, o Show com a dupla Bruno e Marrone que acontece somente no dia 16 de maio de 2018 (quarta-feira) tem as vendas das mesas esgotadas.

Diante da enorme procura a Captação de Recursos do Hospital de Amor Jales, para atender pedidos, decidiu por abrir as vendas de lounges para o show beneficente com open bar com uma das duplas mais consagradas do Brasil.

O evento que tem início, a partir das 21 horas, no salão de eventos Villa Rocca com show de abertura da dupla Bruno e Ed Carlos de Jales, também parceiros do hospital.

Os interessados devem procurar o hospital na captação de recursos, das 08h às 17 horas e garantir o ingresso avulso que pode ser parcelado em 4x no cartão de crédito.

"Serão vendidos 50 lugares com direito ao open bar (água, refrigerante e cerveja) e não será cobrado estacionamento. Os ingressos darão acesso às laterais do salão (disponível no mapa), sem lugar reservado para se sentar, com algumas acomodações.", ressaltou a gerente de Captação de Recursos, Adriana Mariano.

Mesas esgotadas - As vendas das mesas aconteceram nos dias 01 de dezembro (sexta-feira) para as pessoas que compraram no ano passado e que tinham interesse em continuar com o lugar e 04 de dezembro, para as mesas remanescentes, esgotando-se em um dia.

"O evento que visa exclusivamente arrecadar recursos para manutenção de custeio do hospital em Jales, tem todas as mesas esgotadas, motivo que deixou Henrique Prata, presidente da Fundação Pio XII, mantenedora dos Hospitais de Amor, muito feliz com o comprometimento da população de Jales com o hospital, que é referência nacional no tratamento de câncer atendendo as 27 unidades federativas do país.", afirmou a Gerente.

Sobre a dupla - O cachê de Bruno e Marrone, que tem mais de 30 anos de estrada, foi doado integralmente para o Hospital. "Graças à credibilidade e apoio desses artistas, é possível realizarmos eventos como esses que contribuem para o trabalho desenvolvido pela Fundação.", finalizou Adriana.

As faixas "Enquanto eu brindo cê chora" e "Na conta da loucura" foram lançadas recentemente no DVD "Ensaio" e já têm 40 milhões de visualizações no YouTube. No show, a dupla promete mesclar novidades e antigos hits, como Dormi na praça, Vidro fumê e Choram as rosas.